FCC FacebookTwitterYoutube

Logo GOV SC 2019 Colorido

Como forma de homenagear aquele que durante 25 anos foi o responsável por transformar a sala de Cinema do Centro Integrado de Cultura em referência da sétima arte no estado, o espaço localizado em Florianópolis agora leva o nome de Gilberto Gerlach. A lei nº 18.201, de 13 de setembro de 2021, que prevê a alteração, foi sancionada pelo governador Carlos Moisés da Silva e publicada no Diário Oficial do Estado desta terça-feira (14).

Gerlach faleceu no último dia 6 de maio, aos 77 anos, em sua casa na cidade de São José, na Grande Florianópolis. Servidor aposentado da FCC, foi o criador do Cineclube Nossa Senhora do Desterro, que funcionou no CIC entre 1984 e 2009, e responsável pela programação de grandes filmes da história mundial exibidos no local.

Biografia

Escritor, pesquisador e cinéfilo, Gilberto Gerlach ocupava também a cadeira 17 da Academia Catarinense de Letras (ACL). Por cerca de 34 anos foi servidor da FCC, instituição pela qual se aposentou em 2013.

Referência na área cinematográfica do Estado, Gerlach criou em 1968 o Cineclube Nossa Senhora do Desterro, que funcionou no CIC até 2009, quando o espaço foi fechado para uma grande reforma. O Cineclube foi responsável por exibir filmes fora de circuito comercial, além de cópias raras em 35 mm de grandes filmes da história mundial do cinema.

Como pesquisador e escritor, Gerlach é autor de livros que ajudam a contar a história catarinense com o uso de materiais fotográficos raros, como as obras São José da Terra Firme (2007), Desterro (2010), Ilha de Santa Catarina - Florianópolis (2015) e Colônia Blumenau no Sul do Brasil (2019).

Para ajudar as proponentes interessadas em enviar projetos para o Prêmio Catarinense de Cinema 2021, a coordenadora da Comissão de Organização e Acompanhamento (COA) do Prêmio, Ana Lígia Becker, faz uma leitura comentada no vídeo abaixo. O material foi gravado com apoio da Federação Catarinense de Municípios (Fecam). Assista:

A edição 2021 distribuirá R$ 5 milhões aos contemplados. Os projetos, acompanhados dos documentos obrigatórios exigidos no edital, deverão ser enviados exclusivamente no formato virtual pela plataforma da premiação, que poderá ser acessada em: https://premiodecinema.fepese.org.br/.

Informações, dúvidas e/ou esclarecimentos aos proponentes devem ser enviados exclusivamente pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo., com horário de atendimento das 8h às 12h e 13h às 17h nos dias úteis.


Vídeo gravado e editado pela Federação Catarinense de Municípios (Fecam).

O Miscuta desta segunda-feira, 13 de setembro, tem a participação do cantor e compositor Talles Corrêa. 

Fique bem, fique em casa e acompanhe o Miscuta!
Se precisar sair, use máscara e cuide-se!

A Fundação Catarinense de Cultura (FCC) promove a edição 2021 do Edital Aldir Blanc SC. As inscrições estão abertas entre 0h01 de 11 de setembro de 2021 e 23h59 de 25 de outubro de 2021, de forma online, e devem ser feitas na plataforma disponível neste link.

No valor total de mais de R$ 26 milhões, o Edital tem por objetivo selecionar propostas culturais nas modalidades Experimentação Artística; Apresentação ou Evento Cultural; Oficina Cultural; e Licenciamento de Conteúdo Cultural para Difusão Online. Podem participar proponentes das áreas de Arquivos, bibliotecas e museus; Arte, Tecnologia e Cultura Digital; Artes visuais; Artesanato; Audiovisual; Circos de lona itinerantes, artes circenses e palhaçaria; Cultura Afro Brasileira; Cultura de Povos Indígenas, Quilombolas, Ciganos e de Imigração; Cultura de Refugiados, Migrantes e Apátridas; Cultura Hip Hop e Urbana; Cultura LGBTQIA+; Cultura Popular, Tradicional e Alimentar; Dança; Gestão e Produção Cultural; Literatura, Livro e Leitura; Música, Bandas Marciais e Fanfarras, Corais, Coro, Ópera e Musical, Orquestras e Filarmônicas e outros; Patrimônio e Paisagem Cultural; Teatro; Redes / Pontões e Pontos de Cultura; Técnica/Montagem/Criação/Bastidores e outros.

Podem se inscrever trabalhadores e trabalhadoras da cultura, artistas, artífices, mestras, mestres, grupos, coletivos, empreendimentos econômicos solidários, instituições artísticas culturais e pontos de cultura com comprovada atuação em sua respectiva área artística e cultural. Para participar como pessoa física, é necessário que o proponente tenha mais de 18 anos, seja residente, domiciliado e com atuação há, no mínimo, dois anos em Santa Catarina, completos e comprovados. Pessoas jurídicas de direito privado, com ou sem fins lucrativos, devem ser registradas, sediadas, estabelecidas e com atuação no estado de Santa Catarina há, no mínimo, dois anos, e por sua finalidade e ramo de atuação principal ou secundário enquadrar-se na natureza do Objeto deste Edital.

Cada proponente poderá apresentar apenas uma proposta, devendo escolher uma das modalidades listadas no Edital. Todos os projetos contemplados receberão os recursos até o dia 31 de dezembro de 2021.

O Edital completo e seus anexos estão disponíveis na plataforma de inscrições. Informações, dúvidas e/ou esclarecimentos devem ser enviados exclusivamente pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo., com horário de atendimento das 8h às 12h e 13h às 17h nos dias úteis.

Nesta sexta-feira, 10 de setembro, a Fundação Catarinense de Cultura (FCC) comemora aniversário em dose dupla: o Sistema Estadual de Museus de Santa Catarina (SEM/SC) e o Museu Nacional do Mar - Embarcações Brasileiras completam 30 anos. Para comemorar, o SEM/SC lançou recentemente o Relatório da segunda pesquisa sobre o impacto da pandemia nas instituições do estado. Já o Museu, localizado em São Francisco do Sul, passará por uma reforma completa, conforme foi anunciado em agosto pelo Governo do Estado de Santa Catarina. 

SEM/SC

O SEM/SC promove ações pelo desenvolvimento do setor museal. Nestas três décadas, foi responsável pela integração e capacitação dos membros da rede por meio de seminários, mesa-redondas, oficinas e publicações técnicas, bem como com a realização do Fórum Catarinense de Museus em cinco edições: 2005, 2010, 2011, 2013 e 2019.

Para celebrar os 30 anos do Sistema, foi realizada a primeira oficina em formato virtual do Programa de Capacitação Museológica, no mês de junho, em parceria com o Ibram. Agora em setembro, também foi lançado o Relatório da segunda pesquisa sobre o impacto da pandemia nas instituições do estado.

Instituído oficialmente pelo decreto nº 615, de 10 de setembro de 1991, é vinculado à Diretoria de Patrimônio Cultural da Fundação Catarinense de Cultura (DPAC/FCC) e forma uma rede de adesão voluntária que conta, atualmente, com 220 instituições museológicas públicas e privadas do estado de Santa Catarina.

Museu Nacional do Mar

O Museu Nacional do Mar está abrigado nos galpões de uma extinta empresa de navegação. Foi criado em 1991 pelo decreto 615, de 10 de setembro, inaugurado em dezembro de 1992 e aberto oficialmente à visitação do público no início de 1993. O espaço pode ser compreendido como um território para a salvaguarda do patrimônio naval brasileiro, reunindo em seu acervo uma grande diversidade de embarcações de várias regiões do país.

A ideia de se criar um museu no local surgiu na década de 1980, durante os estudos para o tombamento do centro histórico de São Francisco do Sul. O espaço não poderia ser mais oportuno: ainda hoje é possível visualizar os trilhos para vagonetes que ligavam os amplos galpões aos trapiches, onde atracavam os navios da empresa de navegação que faziam o transporte de erva-mate, sal e outros produtos. Além disso, a construção está em sintonia com a bela Baía da Babitonga, a qual é possível vislumbrar logo na entrada do museu e durante boa parte do percurso da exposição.

Entre 2003 e 2004, o local passou por obras para receber uma grande diversidade de embarcações. O acervo está organizado em salas divididas por temas. Entre as peças disponíveis à visitação do público, estão barcos em tamanho natural, peças de modelismo e artesanato naval. O acervo conta ainda com traineiras, botes, jangadas (de cinco paus e de tábuas), saveiros da Bahia e o cúter do Maranhão.