FCC FacebookTwitterYoutube

Logo GOV SC 2019 Colorido

Para compreender a importância histórica da Casa dos Açores – Museu Etnográfico é preciso relembrar fatos importantes que ocorreram na região de São Miguel. Em meados do século XVIII – por volta de 1747 -, o rei D. João V de Portugal aproveitou a escassez de habitantes nas terras portuguesas do sul do Brasil para resolver dois problemas do reino: a ocupação efetiva dessas terras e a diminuição dos problemas populacionais e alimentares nos arquipélagos dos Açores e da Madeira, com a instituição de fluxos migratórios de habitantes das ilhas dos arquipélagos para, inicialmente, a Ilha de Santa Catarina e arredores. Isso fez com que centenas de famílias se candidatassem para a experiência de colonizar uma região sobre a qual pouco conheciam.

No ano de 1748 é inaugurado o fluxo migratório de Açores e Madeira, culminando com a fundação de diversas povoas ao longo do litoral da província de Santa Catarina; dentre as povoações fundadas à época, estava a de São Miguel da Terra Firme, às margens da Baía Norte, fronteira com a Ilha de Santa Catarina, que em 1750 recebeu o primeiro grupo de 140 famílias de imigrantes; em 23 de janeiro 1751 a póvoa tem sua capela inaugurada e em 8 de fevereiro do ano seguinte é elevada à condição de freguesia (BOITEUX, 1953, p 156).

A paróquia de São Miguel atendia uma imensa gleba de terra, cobrindo uma área que hoje abrange diversos municípios.

Eram fregueses dessa paróquia os moradores da enseada das Garoupas, da ponta e praia das Bombas, dos Zimbos, da enseada das Tejucas, da praia das Palmas e da armação grande das baleias, estabelecida na ponta da terra firme, que ficava quase leste-oeste com a ponta setentrional da ilha de Santa Catarina (OLIVEIRA, 2007, p 58).

20112017 museu etnografico mhm 60Prova da importância da freguesia de São Miguel da Terra Firme pode-se medir, em parte, a partir de seu patrimônio físico, como a Igreja Matriz, dedicada ao Arcanjo São Miguel. Uma construção que se comparada a outras igrejas do mesmo período, destaca-se pela imponência.

Construção de grande porte e, em termos de volumetria, incomum para os padrões catarinenses, com sacristia lateral, frontão reto, de acordo com a tipologia colonial desenvolvida no sul do País. (SOUZA, 1992, p 02).

Os governadores da província no período entre 1750 e 1756, Manoel Escudeiro Ferreira de Souza e seu sucessor José de Melo Manuel, tentaram em diversas ocasiões transferir a capital da província do Desterro para São Miguel, não obtendo êxito. Pesava a favor de São Miguel sua posição estratégica – defendida de perto pelas fortalezas – e seu clima.

No ano de 1777 os espanhóis invadiram a Ilha de Santa Catarina, São Miguel tornou-se então refúgio de parte da população ilhôa, autoridades e militares que fugiram da Ilha para o continente, tornando-se capital provisória da Capitania de Santa Catarina.

São Miguel da Terra Firme foi capital, no entanto por pouco tempo: de 10 de outubro de 1777 a 02 de agosto de 1778. Logo no dia 03 de agosto Veiga Cabral tomou posse definitiva da Ilha de Santa Catarina, e por extensão, de toda a Capitania. (ZIMMERMANN, 2011, p 34).

Assinado o Tratado de Santo Idelfonso, em 1778, a ilha foi devolvida aos portugueses e São Miguel voltou a sua vida normal.

De arquitetura luso-brasileira, a Casa dos Açores é testemunha de uma época de opulência. Construída na primeira metade do século XIX pelo fazendeiro e senhor de escravos João Ramalho da Silva Pereira, quando a freguesia de São Miguel contava com população menor apenas que as freguesias de N. S. do Desterro, N. S. da Graça do Rio de São Francisco e Santo Antônio do Anjos da Laguna (DA SILVA, 2007, p.187).

O imóvel foi adquirido por Manoel Joaquim Madeira, que o reformou em 1865. Em 1978, após ter passado por vários proprietários, foi adquirido pelo Governo do Estado de Santa Catarina que o restaurou e o transformou em museu com objetivo de preservar e estudar a cultura açoriana.

(por Rodrigo Rosa, historiador)