FCC FacebookTwitterYoutube

Logo GOV SC 2019 Colorido

Está de volta ao espaço expositivo do Museu de Arte de Santa Catarina (MASC) a obra Parque de Diversões, de Djanira da Motta e Silva, emprestada pelo museu catarinense para fazer parte da mostra Djanira: a Memória de Seu Povo. Ela esteve em exposição entre 1º de março e 19 de maio, no Museu de Arte de São Paulo (MASP); e entre 28 de junho e 27 de outubro, na Casa Roberto Marinho, no Rio de Janeiro.

O quadro de 1943 faz parte do acervo do MASC e, agora, integra a exposição que comemora os 70 anos do Museu, aberta à visitação gratuita até fevereiro de 2020. No sudeste, a obra esteve exposta na primeira grande mostra dedicada à obra da artista e que inaugurou o ciclo Histórias das Mulheres, Histórias Feministas do MASP.

Sobre Djanira*

Djanira da Motta e Silva nasceu em 1914, em Avaré, São Paulo, e cresceu na cidade de Porto União, no norte catarinense. Foi pintora, desenhista, cartazista e gravadora.

Em 1932 mudou-se para São Paulo, onde começou a desenhar após ser internada com tuberculose em um sanatório em São José dos Campos. Sete anos depois, foi morar no Rio de Janeiro e abriu uma pensão onde pode conhecer e conviver com artistas modernos. Na mesma época, frequentou aulas de pintura no Liceu de Artes e Ofícios.

Sua primeira exposição ocorreu em 1942, no Salão de Belas Artes e, no ano seguinte, fez sua primeira individual, ambas no Rio de Janeiro. Em 1943, participou da exposição Pintura Moderna Brasileira na Royal Academy of Arts, em Londres, Inglaterra. Nessa época, também expôs suas obras na Argentina, no Uruguai e no Chile. Entre 1944 e 1947, morou nos Estados Unidos, onde apresentou seu trabalho em espaços de Nova York, Washington e Boston.

De volta ao Brasil, casou-se com o poeta e historador José Shaw da Motta e Silva, e seguiu expondo em museus e espaços de arte até sua morte, em 1979.

(* Fonte: Site Enciclopédia Itaú Cultural)

De passagem por Florianópolis, Elena Givone participará de uma conversa com o público no Museu de Arte de Santa Catarina (MASC), para falar do trabalho que vem desenvolvendo desde 2006 em várias partes do mundo. O encontro ocorrerá no dia 17 de outubro, às 18h, com entrada gratuita.

A fotógrafa está com uma mostra no Círculo Italo-Brasileiro de Santa Catarina até o fim do mês e ministrará o whorkshop Retrato Autoral, dia 26 de outubro, no Núcleo de Estudos e Fotografias, em Florianópolis.

Elena Givone, nascida em Turim – Itália, é fotógrafa e artista visual. Seu trabalho possui um forte componente ético e político. Depois de ganhar o prêmio Atenção aos novos talentos fotográficos da FNAC, com o projeto Pazi-Mine Saravejo 2006, a fotógrafa desenvolveu vários projetos internacionais, entre eles Flying Away, em favelas e prisões brasileiras; os segredos da caixa mágica – fotografias para a água, no Mali; Sonhos da minha lâmpada mágica, no Sri Lanka e na Europa; The Zee Kwet, em Mianmar; e Rafi e crianças de Aleppo, em campos de refugiados na Grécia e Inglatera. Esses trabalhos foram publicados em várias revistas e exibidos em galerias internacionais, como o Winterthur Fotomuseum, e fazem parte de coleções como de Donata Pizzi, exibido na Trienal de Milão na exposição A Outra Fotografia Italiana Vista 1965-2015.

Serviço:

O quê: Conversa com a fotógrafa Elena Givone
Quando: 17 de outubro de 2019, às 18h
Onde: Museu de Arte de Santa Catarina (MASC) - Localizado no Centro Integrado de Cultura (CIC)
Av. Gov. Irineu Bornhausen, 5600 - Agronômica - Florianópolis
Entrada gratuita

Integrando a programação da 13ª Primavera dos Museus, o Museu de Arte de Santa Catarina (MASC), por meio do projeto Diálogos com o Público Interno do MASC, realizará visita mediada para servidores do Governo do Estado à exposição de longa duração "Coleção MASC 70  anos".

A atividade será realizada no dia 27 de setembro, das 10h às 11h30 e das 14h às 15h30 e contará com o acompanhamento dos profissionais do Núcleo de Arte e Educação do MASC.  Serão oferecidas 30 vagas para cada período e os interessados podem solicitar a inscrição por e-mail (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.), informando nome, idade, instituição, cargo e função.
 

Sobre a exposição

A mostra Coleção MASC 70 anos integra a programação comemorativa de sete décadas de criação do Museu de Arte de Santa Catarina e de 40 anos da Fundação Catarinense de Cultura (FCC), órgão que administra o espaço. A mostra ficará em cartaz até 2021 e tem classificação indicativa livre. Com curadoria de Ylmar Corrêa Neto, a exposição é composta por obras desde o núcleo inicial do MASC até aquisições mais recentes de obras contemporâneas. Trabalhos de artistas como Iberê Camargo, Pancetti, Volpi, Bruno Giorgi, Cândido Portinari, Eduardo Dias, Martinho de Haro, Guignad, Cícero Dias, Mira Schendel, Franz Krajberg, Paulo Gaiad, Doraci Girrulat, Fernando Lindote, entre outros, integram a mostra.

Ascom FCC

 

 

A partir deste sábado (28), o Museu de Arte de Santa Catarina (MASC) receberá a programação da 14ª Bienal Internacional Arte Contemporânea de Curitiba – Polo SC. As exposições ficarão em cartaz até 1º de dezembro de 2019. Estarão em cartaz as mostras: Fronteiras em Aberto; Fardo, de Diego de Los Campos, Depoisantes - de Fernando Lindote e DES-TEMPO – de Meg Tomio Roussenq (Diálogos com o Acervo).

Permanece em cartaz a exposição de longa duração Coleção MASC – 70 anos - comemorativa aos 40 anos da Fundação Catarinense de Cultura e sete décadas de criação do museu.

Fronteiras em Aberto, Coletiva no Masc

Dentro da programação da 14ª Bienal Internacional de Curitiba – Polo SC, foi lançada uma chamada aberta aos artistas para inscrição de trabalhos que fariam parte de uma coletiva no  Museu de Arte de Santa Catarina (MASC). São pinturas, esculturas, instalações e fotografias. A comissão de seleção foi composta pela equipe curatorial da Bienal Internacional de Curitiba – Polo SC, Francine Goudel, Juliana Crispe e Sandra Makowiecky, com a participação dos curadores, pesquisadores e gestores, Daniele Zacarão, Franzoi, Fernando Boppré e Susana Bianchini, no intuito de abranger um cenário de reconhecimento ampliado do estado, uma vez que cada membro é atuante em uma macrorregião catarinense. 

Artistas: Adriana Mdos Santos, Alejandro Lloret, Aline Dias, Andrea Eichenberger, Andressa Argenta, Andrey Roca, Anna Moraes, Atomic Shadows Art (Marco Ramos e Olavo Kucker), Claudia Zimmer, Coletivo Inço (Diana Chiodelli e Audrian Cassanelli), Cristina Brattig Almeida, Cyntia Werner, Diego Rayck, Dirce Körbes, Dora Naspolini, Elke Hulse, Fabio Dudas, Fê Luz, Flávia Duzzo, Gustavo Reginato, Henry Goulart, Ilca Barcellos, Isadora Stähelin e Sofia Brightwell, Jairo Valdati, Jan M.O, Janaina Corá, Janor Vasconcelos, João Miot, José Maria Dias da Cruz, Kellyn Batistela, LaÏs Krücken, Leandro Jung, Leandro Maman, Leandro Serpa, Lena Peixer, Letícia Cardoso, Lilian Barbon, Lucila Horn, Marivone Dias, Marta Facco, Marta Berger, Martha Ozol, Odete Calderan, Patricia Di Loreto, Ricardo Ramos, Rosane Cechinel, Rosangela Becker, Sara Ramos, Sarah Uriarte e Kim Coimba, Sebastião G. Branco, Simone Milak, Sofia Brito, Sonia Loren, Tarcisio Ullrich e TiroTTi.

 

Fardo, de Diego de Los Campos

Instalação que retrata o cansaço, o caos. "As máquinas que engrenam os corpos na contemporaneidade parecem operar sob orquestras que partem de uma cultura midiática que cria ritmos padronizados, engessamentos, imobilizações dos corpos-fardos que, quando em espasmos, se movem por outras mãos que não os deixam ser livres. Esse processo repetitivo pretende também contaminar os corpos-desejantes, aqueles que desejam ser processo de criação constante, que fogem das normatizações e que criam rizomas, corpos sem bordas, em desterritorializações", conforme a curadoria, composta por Francine Goudel, Juliana Crispe e Sandra Makowiecky.


Depoisantes, de Fernando Lindote

A mostra terá pinturas do artista catarinense Fernando Lindote. De criação do próprio artista, o termo “depoisantes”, no contexto da 14ª Bienal Internacional de Arte Contemporânea de Curitiba, sob o conceito geral da edição "Fronteiras em Aberto", trata da relação entre as fronteiras do tempo. Entre origens e possíveis sucessões, a questão posta por Fernando Lindote demarca uma reflexão sobre o sentido de procedência, a gênese e expansão da história da arte, literatura, filosofia.  Curadoria: Francine Goudel, Juliana Crispe e Sandra Makowiecky.

 

DES-TEMPO, de Meg Tomio Roussenq

As pinturas da mostra Des-tempo possuem relação com a carne. São sete obras do acervo da artista e uma do acervo do museu. Elas propõem atravessar camadas da memória, do corpo-carne, da impermanência, das paisagens moventes que se formam fora e dentro de nós. Perpassa tempos que se contaminam entre fronteiras psíquicas, geográficas, corporais, biológicas e literárias. Também evidencia concentrações fluídas do que nos constituem, em nossas entranhas. Meg flexiona ações entre vida e morte, em processo de (de)composição do que somos; entre a realidade e a ficção, em uma arquitetura que compõe vários planos. Nessas variantes da composição, a carne é capaz de carregar percepções e afecções, a carne constitui o ser da sensação. Carne como casa, habitat do animal, lugar nosso de imersão na força cósmica do universo. Curadoria: Juliana Crispe.

Equipe Técnica da 14ª Bienal Internacional de Arte de Curitiba
Organização e curadoria 14ª Bienal Internacional de Arte de Curitiba – Polo SC: Francine Goudel, Juliana Crispe e Sandra Makowiecky
Coordenação 14ª Bienal Internacional de Arte de Curitiba – Polo SC: Sandra Makowiecky
Curadoria da 14ª Bienal Internacional de Arte de Curitiba: Adolfo Montejo Navas (Espanha/Brasil), Tereza de Arruda (Brasil/Alemanha), Massimo Scaringella (Itália/Argentina), Gabriela Urtiaga (Argentina), Ernestine White-Mifetu (África do Sul), Esenija Bannan (Uzbequistão/Alemanha), Fernando Ribeiro (Brasil), Brugnera (Brasil), Li Xiangning (China), Prêmio Jovens Curadores: Juliana Crispe (Brasil), Francine Goudel (Brasil), Sandra Makowiecky (Brasil), Vivian Villanova (Brasil), CUBIC4: Stephanie Dahn Baptista (Brasil), Isadora Mattioli (Brasil), Fabrícia Jordão (Brasil)
Diretoria Executiva da 14ª Bienal Internacional de Arte de Curitiba: Luiz Ernesto Meyer Pereira (Diretor Presidente), Mônica Machado Lima (Vice-Diretora Presidente), Luiz Carlos Brugnera (Diretor Secretário)
Produção 14ª Bienal Internacional de Arte de Curitiba – Polo SC: Francine Goudel
Montagem e iluminação: Equipe MASC
Realização:
Bienal Internacional de Curitiba, UDESC, Espaço Cultural Armazém – Coletivo Elza, Fundação Cultural Badesc, Galeria Municipal de Arte Pedro Paulo Vecchietti, Instituto Meyer Filho, Museu da Escola Catarinense, Museu de Arte de Santa Catarina, NaCasa – Coletivo Artístico, O Sítio
Apoio:
Abrasabarca, ArqSC|portal, Associação de Doulas de Santa Catarina – ADOSC, BADESC, Banco do Brasil, Casa Luanda, Compor, Coordenadoria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres - CMPPM, Cores de Aidê, ER Freitas, Fatto a Femme, Fundação Catarinense de Cultura - FCC, Fundação Cultural de Florianópolis Franklin Cascaes - FCFFC, Galeria de Arte Helena Fretta, Governo do Estado de Santa Catarina, Guerrilha Produtora, La Kahlo Bodega, Portal Catarinas, Prefeitura Municipal de Florianópolis – PMF, Secretaria Municipal de Cultura, Esporte e Juventude
Patrocínio:
RICTV SC, Farmácia Ponta do Goulart, Kideki Salão de Beleza e Sex Shop, Espaço Cultural Armazém – Coletivo Elza, Gika Voigt produz
Mídia Partner oficial:
RICTV SC
Material Gráfico:
Moysés Lavagnoli

 

Serviço:

14ª Bienal Internacional Arte Contemporânea de Curitiba – Polo SC
Abertura: 28 de setembro às 17 h
Local: Museu de Arte de Santa Catarina (MASC) - Localizado no Centro Integrado de Cultura (CIC)
Av. Gov. Irineu Bornhausen, 5600  -  Agronômica - Florianópolis
Visitação: até 1º de dezembro de 2019
Horários: de terça a domingo, das 10h às 21h
Classificação indicativa: livre
Entrada gratuita.

 

Ascom FCC

O Museu de Arte de Santa Catarina (MASC) será palco da exibição do documentário Arte em Plano, que contextualiza o desenvolvimento das artes bidimensionais na cidade de Blumenau. A sessão ocorrerá no dia 19 de setembro, às 19h, com entrada gratuita.

O trabalho é resultado da pesquisa de Ana Paula Marcellino com os registros encontrados em dissertações, artigos, entrevistas e relatórios culturais. O documentário traça a história entre narrativas e depoimentos de artistas, contando como a arte chegou em Blumenau, sua intenção e quais elementos possibilitaram Blumenau tornar-se destaque em produção, comercialização e fruição no cenário das artes bidimensionais catarinense.

Entre os artistas entrevistados estão Rubens Oestroem (natural de Blumenau, com estudos realizados na Alemanha e residente em Florianópolis); Guido Heuer (blumenauense que trabalha com metais); César Otacílio (artista plástico da região do Vale do Itajaí, que iniciou sua vida artística em Blumenau e tem grande destaque como precursor do muralismo na cidade); Quiko Nutss (paranaense que trabalha com técnicas da arte urbana, fixou residência em Blumenau e ampliou a atuação desse forte movimento da arte contemporânea na cidade). Esses olhares permitem ampliar a compreensão do lugar que a arte bidimensional ocupa na sociedade, e como podemos possibilitar a valorização desses artistas e suas técnicas.

Ana Paula Marcellino foi contemplada com o Prêmio Herbert Holetz do Fundo de Apoio à Cultura da cidade de Blumenau para produzir o documentário que abarca o desenvolvimento da arte bidimensional na cidade de Blumenau a partir da década de 60. Através da construção do desenvolvimento da pintura no município de Blumenau a partir de sua popularização na década de 70, o documentário tece uma narrativa binária, entre o ontem e o hoje, para compor a relação criativa que se estabelece entre os indivíduos, o desenvolvimento da cidade e da produção artística.


Serviço:

O quê: Exibição do documentário Arte em Plano
Quando: 19 de setembro de 2019, às 19h
Onde: Museu de Arte de Santa Catarina (MASC) - Localizado no Centro Integrado de Cultura (CIC)
Av. Gov. Irineu Bornhausen, 5600 - Agronômica - Florianópolis
Entrada gratuita.