FCC FacebookTwitterYoutube

Logo GOV SC 2019 Colorido

O Museu Histórico de Santa Catarina / Palácio Cruz e Sousa sediará o lançamento do livro “Tão fortes quanto a Vontade – História da Imigração Italiana no Brasil: Os Vênetos em Santa Catarina”, de autoria de Nelma Baldin. A obra trata da imigração italiana no Brasil e, particularmente, das populações do Vêneto italiano que emigraram para a região Sul do estado. O lançamento será no dia 26 de maio às 19h, com entrada gratuita.

O livro é o resultado de uma longa e difícil pesquisa realizada tanto no Brasil, nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Santa Catarina, quanto na Itália – em várias comunidades da região do Vêneto e que durou cerca de nove anos. A obra inicia com uma retrospectiva histórica da Itália do fim do século XIX, dando ênfase às questões econômicas e sociais que interferiram na política econômica e na sua forma de desenvolvimento em toda a Itália e, em especial, na região do Vêneto. Estabeleceu-se, no local, um estado de dificuldades que levou a sua população a desencadear um intenso processo emigratório. Um grande número dessas famílias vênetas optou pela América. A decisão pela emigração para o Brasil tinha como respaldo a política imigratória do Governo Imperial. 

Muitos desses imigrantes Vênetos destinaram-se para Santa Catarina, especialmente para a região Sul do estado. E muito além da necessária sobrevivência, esses imigrantes decidiram-se por uma vida nova e passaram a construir a sua história. Um exemplo disto foi a fundação da Colônia Azambuja, em Pedras Grandes (abril 1877) e, posteriormente, a Colônia Urussanga (maio 1878). O livro mostra ao leitor as dificuldades da chegada ao Brasil e a Santa Catarina, bem como mostra as alegrias e agruras sofridas quando da chegada aos portos brasileiros até o deslocamento às colônias de destino.

Os desafios do início da fundação da colônia imaginada por esses imigrantes também são tratadas no livro: o dia a dia do trabalho e da produção; a vida na floresta; as condições determinantes do cotidiano; do desenvolvimento e suas decorrências e diferenças, tais como os nacionalismos, as revoltas, as ideologias, a economia, a política, a religião. "E o livro também trata dos desdobramentos que essas questões todas tiveram junto às diferentes comunidades de imigrantes. Nesse contexto, buscou-se também resgatar, no livro, fragmentos históricos, ou seja, retratos de histórias de vida de imigrantes e de suas famílias, das suas rotinas e dos seus costumes. Enfim, o livro visa consagrar o legado dessas fortes gentes que por aqui chegaram lá pelos idos do século XIX", destaca a autora.

Sobre a escritora:

Nelma Baldin graduou-se em História pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), onde também cursou o Mestrado em História. Fez Doutorado em História da Educação na Pontifícia Universidade de São Paulo (PUC/SP) e Pós Doutorado nas Università Degli Studi di Roma “La Sapienza” e Università Degli Studi di Bologna, ambas na Itália, e na Universidade de Coimbra (Portugal). Foi professora na UFSC (Campus Florianópolis), na Universidade Federal da Paraíba ( Campus Campina Grande) e na Univille (Campus Joinville). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino de História, em História da Educação e em Antropologia. Como pesquisadora, atua principalmente nos temas da imigração italiana, no campo da História Patrimonial e Ambiental e na linha da História da Educação no Brasil.