FCC FacebookTwitterYoutube

Logo GOV SC 2019 Colorido

O cantor Paulo Ricardo apresenta seu show "Voz, Violão & Rock'n Roll" no palco do Teatro Ademir Rosa, no Centro Integrado de Cultura (CIC), nesta quinta-feira (28), às 21h. O show terá a participação especial do cantor Thedy Corrêa. 

A pandemia aproximou Paulo Ricardo do violão, seja através das lives, dos vídeos para as redes sociais ou das novas composições. A partir daí surgiu, pela primeira vez em seus mais de trinta anos de carreira, a vontade de montar um espetáculo todo baseado apenas na voz e no violão.

Os fãs irão se surpreender ao ouvir clássicos do rock nacional como “Olhar 43” e “Rádio Pirata” em versões mais despojadas, cruas, viscerais, que remetem ao folk e ao blues, pais do rock'n'roll, assim como vão descobrir novas nuances em baladas como "A Cruz e a Espada" e "Tudo por Nada". Para tornar essa noite ainda mais inesquecível, Thedy Corrêa, vocalista da banda gaúcha Nenhum de Nós, é o convidado especial e canta seus maiores sucessos como "Camila Camila, Astronauta de Mármore" e ainda prepara surpresas inéditas cantando com Paulo Ricardo.

Serviço:
O quê: Paulo Ricardo - Voz, Violão & Rock'n Roll
Quando: 28/04/2022, às 21h
Onde: Teatro Ademir Rosa - Localizado no Centro Integrado de Cutura (CIC)
Av. Gov. Irineu Bornhausen, 5600 - Agronômica - Florianópolis (SC)
Ingressos: à venda em https://site.blueticket.com.br/evento/29713

Atenção: será exigido comprovante de vacinação contra Covid-19.

:: Confira os protocolos

Nesta terça e quarta-feira (26 e 27/4), às 20h, o Teatro Ademir Rosa, no Centro Integrado de Cultura (CIC), recebe sessões do espetáculo Enfronta. O solo de dança terá apresentação com entrada gratuita para todos os públicos.

O trabalho reúne 20 anos de estudo sobre dança de matrizes africanas, universo da cultura mandèn, da África Ocidental, bem como da influência africana na cultura e na religiosidade brasileiras, que vão ao encontro da realidade contemporânea. O projeto experimenta movimentações corporais que tangem entre cruzamentos culturais e vida real.

Este solo, inédito, dialoga com os trabalhos de Jussara Belchior, que tem trabalhos reconhecidos como “Peso Bruto”, e que assina a direção do espetáculo, e de Luiz Canoa, músico, ator, dançarino e pesquisador das danças afro brasileiras e da contemporaneidade, colaborador na pesquisa. Participam, ainda, o músico Leandro Fortes na criação de trilha sonora, Marcos Klann na iluminação e Bettina d’Ávila na arte gráfica.

Projeto selecionado pelo Edital Aldir Blanc 2021 - executado com recursos do Governo Federal e Lei Aldir Blanc de Emergência Cultural, por meio da Fundação Catarinense da Cultura.

Ficha Técnica:

Direção artística: Jussara Belchior.
Artista da Dança: Simone Fortes.
Colaboradora de artes da cena / Cenografia e Figurino / Assistente de ensaio / Produção de Palco - Ana Pi
Produção Executiva - Simone Fortes
Designer gráfico - Gabriel Villas Boas
Classificação Indicativa: Livre

Serviço: 
O quê: Espetáculo Enfronta
Quando: 26 e 27/04/2022, às 20h
Onde: Teatro Ademir Rosa - Localizado no Centro Integrado de Cultura (CIC)
Av. Gov. Irineu Bornhausen, 5600 - Agronômica - Florianópolis (SC)
Entrada gratuita
Ingressos pelo site Sympla
- Dia 26/4: https://www.sympla.com.br/evento/enfronta-solo-de-danca-simone-fortes/1556369
- Dia 27/4: https://www.sympla.com.br/evento/enfronta-solo-de-danca-simone-fortes/1556389

:: Confira os protocolos

O Teatro Ademir Rosa (TAR), localizado no Centro Integrado de Cultura (CIC), recebe nesta sexta (22), às 21h, o show que une as músicas da dupla gaúcha Kleiton & Kledir com as da banda catarinense Expresso Rural. 

Os ingressos estão à venda no site Ingresso Nacional.

Conforme a produção do espetáculo, os ingressos adquiridos para o show de abril de 2020 permanecem válidos. Quem tiver esses ingressos, poderá assistir ao show com a data remarcada para este ano.

 Atenção: será exigido comprovante de vacinação contra Covid-19

:: Confira os protocolos

Classificação indicativa: 12 anos.

O Teatro Ademir Rosa, no Centro Integrado de Cultura (CIC), recebe nesta terça e quarta-feira (19 e 20) o espetáculo de dança do Grupo Corpo, com as coreografias "Primavera" e "Gira". Os shows ocorrem às 21h em ambos os dias. 

Primavera (2021)

coreografia: Rodrigo Pederneiras
música: Palavra Cantada
cenografia: Paulo Pederneiras
figurino: Freusa Zechmeister
iluminação: Paulo Pederneiras e Gabriel Pederneiras

Criado sobre a ideia do recomeço e do sopro de esperança, Primavera, com coreografia de Rodrigo Pederneiras, se urdiu sobre a música da dupla Palavra Cantada: 14 canções adaptadas para o instrumental, numa gama de estilos musicais às vezes bem contrastantes – de um jazz light à percussão afro. O balé, nascido na pandemia, tem o espírito do divertissement; incorpora – e, de certo modo, abraça – as interdições daquele momento: são solos, duos, trios, quartetos em que os bailarinos não se tocam, com exceção de três pas-de-deux na performance dos casais que são parceiros também na vida.

Conjurando tempos mais leves e buscando a doçura da estação, os figurinos femininos, monocromáticos – amarelos, verdes, laranjas e vermelhos – têm saias muito leves, que voejam, sobre collants; os dançarinos usam camiseta justa e calça preta clássica. Projeções em tempo real ocupam o fundo do palco, multiplicando e ampliando olhares, gestos e, por que não?, a ideia de novos tempos.

Gira (2017)

coreografia: Rodrigo Pederneiras
música: Metá Metá
cenografia: Paulo Pederneiras
figurino: Freusa Zechmeister
/iluminação: Paulo Pederneiras e Gabriel Pederneiras

Os ritos da umbanda – a mais cultuada das religiões nascidas no Brasil, resultado da fusão do candomblé com o catolicismo e o kardecismo – são a grande fonte de inspiração da estética cênica de Gira. 

Exu, o mais humano dos orixás – sem o qual, nas religiões de matriz africana, o culto simplesmente não funciona – é o motivo poético que guia os onze temas musicais criados pelo Metá Metá para Gira.

Mergulhar no universo das religiões afro-brasileiras para se alinhar ao tema proposto pelo Metá Metá foram as primeiras providências dos criadores do Grupo Corpo. Mas engana-se quem pensa que vai assistir a uma representação mimética dos cultos afro-brasileiros. Alimentado pela experiência em ritos de celebração tanto do candomblé quanto da umbanda (em especial as giras de Exu), Rodrigo Pederneiras (re)constrói o poderoso glossário de gestos e movimentos a que teve acesso.

Concebido como uma instalação, o não-cenário assinado por Paulo Pederneiras cobre com o mesmo tule negro os corpos dos bailarinos sempre que estão fora da cena, transformando-os em éter, e as três paredes da caixa-preta, criando uma ilusão quase espectral de infinito.
Nos figurinos, Freusa Zechmeister adota a mesma linguagem para todo o elenco, independente do gênero: torso nu, com a outra metade do corpo coberta por saias brancas de corte primitivo e tecido cru.

Serviço:
O quê: Grupo Corpo
Quando: 19 e 20/04/2022, às 21h
Onde: Teatro Ademir Rosa - Localizado no Centro Integrado de Cultura (CIC)
Av. Gov. Irineu Bornhausen, 5600 - Agronômica - Florianópolis (SC)
Ingressos à venda no site DiskIngressos:
19/04/2022 - https://www.diskingressos.com.br/evento/2775/19-04-2022/sc/florianopolis/grupo-corpo-primavera-e-gira
20/04/2022 - https://www.diskingressos.com.br/evento/2776/20-04-2022/sc/florianopolis/grupo-corpo-primavera-e-gira

Atenção: será exigido comprovante de vacinação contra Covid-19

:: Confira os protocolos

Nesta sexta, sábado e domingo (15, 16 e 17/4) o Teatro Ademir Rosa, no Centro Integrado de Cultura (CIC) recebe o espetáculo A Cor Púrpura. O musical iniciou sua temporada em setembro de 2019, fazendo um enorme sucesso de público e crítica, recebendo 75 prêmios das 87 indicações. Depois de uma temporada de sucesso antes da pandemia, a retorno do espetáculo aconteceu em novembro de 2021, em São Paulo.

Depois de uma temporada em janeiro e fevereiro de 2022 no Rio de Janeiro, A Cor Púrpura, o musical segue para uma turnê por diversas cidades do país. Com direção de Tadeu Aguiar, tem versão brasileira de Artur Xexéo para o livro de 1982 de Alice Walker, a primeira escritora negra a ganhar o Pulitzer. Com direção de Steven Spielberg, a obra foi adaptada para o cinema em 1985, recebendo 11 indicações ao Oscar. 

A história se passa na primeira metade do século XX, na zona rural do Sul dos Estados Unidos, com personagens típicos dessa região, e narra a trajetória e luta de Celie (Leticia Soares) contra as adversidades impostas pela vida a uma mulher negra. Na adolescência, a personagem tem dois filhos de seu suposto pai (Jorge Maya), que a oferece a um fazendeiro local para criar seus herdeiros, entre eles Harpo (Alan Rocha), lavar, passar e trabalhar sem remuneração. Ela é tirada à força do convívio de sua irmã caçula Nettie (Merícia Cassiano) e passa a morar com o marido Mister (Sergio Menezes). Enquanto Celie resigna-se ao sofrimento, Sofia (Erika Affonso) e Shug (Flavia Santana) entram em cena, mostrando que há possibilidade de mudanças, novas perspectivas, esperança e até prazer. A saga de Celie é permeada por questões sociais de extrema relevância até os dias atuais como a desigualdade, abuso de poder, racismo, machismo, sexismo e a violência contra a mulher.

Com versão musical inédita no Brasil, o musical traz à cena 18 atores, 90 figurinos, um palco giratório de 6 metros de diâmetro e uma escada curva com sistema de traveling em volta do cenário.

Ficha técnica:
Texto: Marsha Norman
Músicas: Brenda Russell, Allee Willis e Stephen Bray
Versão Brasileira: Artur Xexéo
Direção Geral: Tadeu Aguiar
Direção Musical: Tony Lucchesi
Elenco: Letícia Soares, Sergio Menezes, Flávia Santana, Jorge Maya, Alan Rocha, Merícia Cassiano, Erika Affonso, Larissa Noé, Suzana Santana, Cláudia Noemi, Hannah Lima, Caio Giovani, André Sigom, Leo Araújo, Thór Jr, Gabriel Vicente, Leandro Vieira, Nadjane Rocha.
Assistência de direção: Flávia Rinaldi
Produção de elenco: Marcela Altberg
Cenário: Natália Lana
Figurino: Ney Madeira e Dani Vidal
Desenho de luz: Rogério Wiltgen
Desenho de som: Gabriel D’Angelo
Coreografia: Sueli Guerra
Assistência de cenografia: Gisele Batalha
Assistência de Coreografia: Olívia Vivone
Assistência de direção musical: Thalyson Rodrigues
Mídias sociais: Rafael Nogueira
Designer gráfico: Alexandre Furtado
Produção executiva: Edgard Jordão
Coordenação de produção: Norma Thiré
Produção Geral: Eduardo Bakr

Serviço:

O quê: A Cor Púrpura - O Musical
Quando: 15 e 16/04/2022, às 20h; 17/04/2022, às 18h.
Onde: Teatro Ademir Rosa - Localizado no Centro Integrado de Cultura (CIC)
Av. Gov. Irineu Bornhausen, 5600 - Agronômica - Florianópolis
Ingressos: à 
venda em https://bileto.sympla.com.br/event/71643/d/127374

Atenção: será exigido comprovante de vacinação contra Covid-19.

:: Confira os protocolos