FCC FacebookTwitterYoutube

Uma parceria inédita entre a Fundação Catarinense de Cultura (FCC), a Camerata Florianópolis e o Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico (HCTP) instalado dentro do Complexo Penitenciário da Agronômica, em Florianópolis, proporcionou aos pacientes uma tarde de música em família na festa de Natal realizada todos os anos na instituição. A apresentação da orquestra ocorreu na tarde desta quinta-feira (13), com repertório de canções natalinas e um tributo à Música Popular Brasileira.

"Realizamos um sonho com a Camerata, considerada uma das maiores orquestras de Santa Catarina com reconhecimento nacional e internacional", explicou a diretora de Difusão Artística da FCC, Mary Garcia, responsável pelo contato inicial com a orquestra.

Antes da apresentação da Camerata, os pacientes e seus familiares prestigiaram a apresentação de uma coreografia especialmente preparada pela professora de yoga que dá aulas na instituição. Uma feliz surpresa ficou por conta da apresentação de um dos pacientes do Hospital, que executou três canções ao teclado e emocionou todos os presentes.

O Hospital de Custódia atende 79 pacientes para tratamento de transtornos mentais. Segundo o diretor do Hospital, Márcio Goulart, a apresentação da Camerata só se tornou possível após a realização de uma parceria com a FCC, com a qual o HCTP irá desenvolver em 2019 oficinas de artes destinadas aos pacientes que participam do programa Alta Progressiva, uma ação de desinternação gradual.

A Camerata Florianópolis não cobrou cachê para tocar no espetáculo. De acordo com o maestro Jeferson Della Rocca, esta foi a oportunidade de a orquestra contribuir para a reinserção dos internos na  sociedade. A maioria deles cometeu crimes em surtos psicóticos, e a arte é uma ferramenta que pode ajudar na sua recuperação. “Queremos abrir o coração para ajudar o outro a se reerguer”, afirmou o maestro. “Se não podemos reconstruir o passado, devemos ajudar a criar um novo futuro para eles. Em vez de julgar, temos que dar a mão para ajudar essas pessoas a se reerguerem”.