FCC FacebookTwitterYoutube

O Museu Histórico de Santa Catarina (MHSC) terá novas exposições a partir da próxima semana. A exposição "Ponte Hercílio Luz" ocorre no momento em que a ponte é reaberta, após o período de restauro. A proposta é convidar a população a conhecer a história e a memória desta obra, um patrimônio histórico e artístico com reconhecimento municipal, estadual e nacional. A mostra terá fotografias, equipamentos e fragmentos originais removidos durante o restauro. A exposição, que ficará em cartaz de 18 de dezembro de 2019 a 30 de abril de 2020, foi realizada a partir de uma parceria entre Fundação Catarinense de Cultura (FCC), por meio do MHSC, Secretaria de Infraestrutura e Mobilidade, Arquivo Público de Santa Catarina e Hemeroteca Digital Catarinense. 

A estrutura da Ponte Hercílio Luz teve sua construção iniciada em 1922, com inauguração em  13 de maio de 1926. Essa ligação entre ilha e continente viabilizou transformações econômicas e sociais na cidade, além de modificar a paisagem urbana. 

Já a exposição "Cadeiras do Palácio" aborda formas e estilos de cadeiras que foram produzidas para uso no Palácio de Governo de Santa Catarina, datadas do fim do século XVIII até o início do século XX. A mostra ficará em cartaz do dia 18 de dezembro de 2019 até 03 de março de 2020.

Ainda no dia 18 de dezembro será aberta a exposição "Do Gabinete ao Gabinete, com fotografias, objetos e documentos que contam a história do governador Antônio Carlos Konder Reis. Serão abordados aspectos da vida pessoal e profissional e suas relações com as cidades de Florianópolis, Itajaí e Penha. Konder Reis nasceu em Itajaí em 1924, ultrapassando meio século de vida pública. Foi governador entre 1975 e 1979, período em que foram criados o MHSC e a FCC.

Ainda contando a história de um governador, permanece em cartaz a exposição "Jorge Lacerda, uma visão para o futuro", aberta no dia 11 de dezembro. A mostra terá visitação durante toda a temporada de verão, até 11 de março de 2020. Durante o período, turistas e moradores de Florianópolis têm a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre a memória catarinense, por meio de paineis, objetos, livros e conteúdo audiovisual que transitam pelos principais momentos da vida do ex-governador.

O horário de atendimento do MHSC é de segunda a sexta-feira das 10h às 18h, aos sábados e domingos das 10h às 16h. O espaço está localizado no Palácio Cruz e Sousa, na Praça XV de Novembro, 227, Centro de Florianópolis.

 

Serviço

:: Exposição "Ponte Hercílio Luz"
Local: Museu Histórico de Santa Catarina / Palácio Cruz e Sousa
Endereço: 
Praça XV de Novembro, 227, Centro de Florianópolis
Visitação: de 18 de dezembro de 2019 a 30 de abril de 2020
Horário de atendimento: segunda a sexta-feira das 10h às 18h, sábados e domingos das 10h às 16h
Classificação indicativa: livre.

:: Exposição Cadeiras do Palácio
Local: Museu Histórico de Santa Catarina / Palácio Cruz e Sousa
Endereço: Praça XV de Novembro, 227, Centro de Florianópolis
Visitação: de 18 de dezembro de 2019 a 03 de março de 2020
Horário de atendimento: segunda a sexta-feira das 10h às 18h, sábados e domingos das 10h às 16h
Classificação indicativa: livre.

 

:: Exposição Do Gabinete ao Gabinete
Local: Museu Histórico de Santa Catarina / Palácio Cruz e Sousa
Endereço: 
Praça XV de Novembro, 227, Centro de Florianópolis
Visitação: de 18 de dezembro de 2019 a 26 de abril de 2020
Horário de atendimento: segunda a sexta-feira das 10h às 18h, sábados e domingos das 10h às 16h
Classificação indicativa: livre.

  

Ingressos:

Inteira: R$ 5. Meia-entrada: R$ 2, mediante comprovação, para estudantes; menores de 18 anos; doadores de sangue registrados em hemocentros de Santa Catarina; professores exercendo docência nos níveis infantil, fundamental e médio. Entrada gratuita, mediante comprovação, para professores acompanhando a turma; crianças com idade inferior a 5 anos; pessoas com deficiência; maiores de 60 anos; guias de turismo. Aos domingos, a entrada é gratuita para todos.

 

 

 

 

 

 

Um projeto contemplado pelo Prêmio Elisabete Anderle de 2017, chamado "11 minutos", aborda o tema da violência contra a mulher e será executado de 16 a 23 de dezembro. Segundo o 11º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, a cada 11 minutos se denuncia um caso de estupro no Brasil. Assim, o projeto se constitui em uma performance com o registro fotográfico do impacto que essa violência cotidiana e invisibilizada produz no corpo e na subjetividade de uma mulher.

Durante sete dias, a cada 11 minutos, soará um alarme no celular da performer Mercedes Rodriguez que imediatamente fotografará o seu rosto. A ação transcorrerá sem interrupção, dia e noite, provocando um deterioro físico ao longo do tempo. As fotos serão publicadas em tempo real nas redes sociais do projeto, estabelecendo um contraponto entre a experiência única e intransferível do corpo e a massificação da imagem nos meios virtuais.

Para assistir/participar da performance basta seguir as seguintes páginas:

Facebook: https://www.facebook.com/11-minutos-100462961446389/

Instagram: https://www.instagram.com/11__minutos/

A performance nas redes sociais é a primeira etapa do projeto. Na segunda etapa haverá uma exposição das fotografias, que ainda está em processo de pré-produção e definição do espaço expositivo.

Como parte do esforço pela candidatura de fortificações catarinenses entre 19 construções brasileiras que terão seu reconhecimento como patrimônios mundiais pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), a Fundação Catarinense de Cultura (FCC) esteve presente no II Seminário Internacional Fortificações Brasileiras Patrimônio Mundial, que ocorreu entre 3 e 5 de dezembro no Rio de Janeiro. O evento, iniciativa do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e da Fundação Cultural Exército Brasileiro, recebeu palestras de especialistas da Itália, Portugal, Espanha e Colômbia sobre experiências de preservação, conservação e gestão do patrimônio cultural militar e de fortificações.

O evento ocorreu na Fortaleza de São João, uma base militar junto à praia onde é atribuída a fundação, em 1565, da cidade do Rio de Janeiro, e que possui, em seu perímetro, fortificações
construídas entre os séculos XVI e XX. O historiador da FCC, Fábio Richter, representou a instituição no Seminário em que foram apresentadas, ainda, experiências brasileiras e promovido debate com a participação do público. O evento culminou com a elaboração e apresentação da Carta do Rio de Janeiro, documento que consolida orientações e recomendações resultantes das discussões promovidas pelo Seminário.

A FCC integra o comitê de Santa Catarina, estado que possui duas fortificações que fazem parte do conjunto a ser chancelado pela Unesco: as fortalezas de Santa Cruz (1739), situada na Ilha de Anhatomirim, no município de Governador Celso Ramos; e a de Santo Antônio (1740), localizada na Ilha Ratones Grande, em Florianópolis. Estas edificações também estão em processo de reconhecimento como patrimônios históricos e culturais do Estado de Santa Catarina, por meio de processo de tombamento realizado pela Diretoria de Patrimônio Cultural da FCC.

Peça do repertório clássico que se tornou extremamente popular e que define com profundidade a alma espanhola, Carmen é uma ópera escrita por Georges Bizet em 1873/74 com base na novela homônima do escritor francês Prosper Mérimeé. A Camerata Florianópolis e a Associação Cultural Arte.Dança apresentam no Teatro Ademir Rosa neste sábado e domingo (14 e 15), às 20h30, a Suíte do Ballet Carmen, versão que terá a participação de bailarinos convidados e do corpo de baile da associação. A regência será do maestro Jefferson Della Rocca.

Personagem icônica no universo da ópera, Carmen é uma mulher corajosa e sedutora, que preza a liberdade e é punida por seus atos porque vive num mundo atrasado e machista. A história contada na obra de Bizet se passa em Sevilha, na região da Andaluzia, numa praça onde a cigana Carmen e o soldado desertor Don José protagonizam uma trama de amor e ciúmes que envolve também o toureiro Escamilo.

“Nesta versão, ‘Carmen’ não é interpretada por apenas uma bailarina, mas por sete delas, o que mostra a diversidade de características e adjetivos que esta personagem carrega”, diz a professora e bailarina Letícia Gallotti, responsável pela adaptação e coreografia do espetáculo. São, ao todo, 24 bailarinos, entre eles Adilso Machado, que interpreta Don José, e Danny de Souza, que incorpora o toureiro.

A estreia da ópera de Georges Bizet, em 1875, foi recebida com indiferença e hostilidade pelo público e pela crítica de Paris. Habituadas a óperas leves e ligeiras, as plateias ficaram chocadas com a crueldade e o realismo das cenas. Só mais tarde, após ser aclamada em Viena e em outras capitais europeias, com o louvor de compositores consagrados, é que o público passou a apreciar a extraordinária veia melódica e o notável domínio da orquestração de Bizet, fatores que tornaram “Carmen” uma das óperas mais populares de todos os tempos.

O autor, que morreu jovem, aos 36 anos, não teve tempo de ver o reconhecimento de sua maior obra. As duas suítes que ele escreveu se encadeiam a partir dos temas da ópera, com árias e as peças de conjunto preenchidas por vários instrumentos em substituição às vozes.

Associação Cultural Arte.Dança

A Associação Cultural Arte.Dança foi fundada em 2006 com o objetivo de dar continuidade ao trabalho desenvolvido pelo corpo docente da tradicional Escola de Dança Albertina Ganzo, após seu fechamento. O compromisso do grupo é com o ensino do ballet clássico e com o aperfeiçoamento da arte da dança. Seu quadro de docentes e direção conta com profissionais que trabalham há mais de uma década juntos, como Letícia Gallotti, Malu Rabelo, Cristina Schmitt, Juliana Gallotti e Lela Martorano.

Ao longo desses 13 anos a associação apresentou espetáculos alternando o ballet clássico de repertório e os de criação própria. Entre eles, Alice (2008), Coppelia (2009), O Quebra-Nozes (2011), milnovecentosetreze (2013) – montagem que trouxe ao palco um trecho da coreografia original da Sagração da Primavera –, o ballet de repertório Dom Quixote (2015), com a participação de dois solistas vindos da Alemanha, e La Fille Mal Gardée (2017), outro ballet de repertório com direção do maître cubano Luis Ruben Gonzalez.

Camerata Florianópolis

Fundada pelo maestro Jeferson Della Rocca, a Camerata Florianópolis já tem 25 anos de atividade ininterrupta, quase mil shows e concertos realizados, 12 CDs e seis DVDs gravados, diversas turnês pelo Estado, pelo Brasil e por países da Europa. A orquestra é conhecida por seu ecletismo e já realizou muitos programas que misturam os gêneros erudito e popular. Entre seus espetáculos mais conhecidos estão o Rock’n Camerata, o Especial Beatles, o Tributo ao Queen e shows com bandas locais como Dazaranha e Expresso Rural. Em 2015, a orquestra participou do Rock in Rio, em memorável show com o guitarrista norte-americano Steve Vai.

A orquestra gravou, entre outros, os CDs Tributo à Música Popular Brasileira, Música para Cinema, Camerata & Elekphantz & Gui Boratto, Clássicos com Energia, Marley in Camerata e o Especial The Beatles. E dividiu o palco com músicos como Zeca Baleiro, Lenine e Paulinho Moska, além do pianista, compositor e arranjador catarinense Luiz Gustavo Zago.

Serviço:

O quê: Arte.Dança & Camerata Florianópolis apresentam a Suíte do Ballet Carmem
Onde: Teatro Ademir Rosa - Localizado no Centro Integrado de Cultura (CIC)
Av. Gov. Irineu Bornhausen, 5600 - Agronômica - Florianópolis (SC)
Quando: 14 e 15 de dezembro de 2019, às 20h30
Classificação indicativa: Livre
Ingressos:
Filas A a S - R$ 120,00 inteira; R$ 60,00 meia-entrada (estudantes, idosos, pessoas com deficiência, menores de 18 anos, doadores regulares de sangue, professores e jovens carentes); R$ 100,00 promocional (Blueticket); R$ 96,00 convênio (Clube NSC);
Filas T a Zb - R$ 80,00 inteira; R$ 40,00 meia-entrada (estudantes, idosos, pessoas com deficiência, menores de 18 anos, doadores regulares de sangue, professores e jovens carentes); R$ 64,00 convênio (Clube NSC).
**Venda nas bilheterias dos teatros, no site Blueticket e na Associação Cultural ArteDança. Ingressos numerados.

O palco do Teatro Governador Pedro Ivo recebe nesta sexta, sábado e domingo (13, 14 e 15) a XV Mostra de Dança Estação Cenarium. Os espetáculos começam às 20h, na sexta-feira, e às 18h no sábado e no domingo.

Serão três dias com espetáculos diferentes, dedicados a produções deste ano, com apresentações coreografadas e executadas por professores, alunos, grupos e cias da Escola. Confira a programação:

- Sexta (13/12), às 20h:
>>Núcleo Juvenil/Adulto
Todas as modalidades

- Sábado (14/12), às 18h:
>>Núcleo Infantojuvenil
Todas as modalidades

- Domingo (15/12), às 18h:
>>Núcleo Infantojuvenil
Balé Clássico

Serviço:

O quê: XV Mostra de Dança Estação Cenarium
Onde: Teatro Governador Pedro Ivo
Rodovia SC-401, Km 15, n° 4600 - Saco Grande - Florianópolis (SC)
Quando: 13 de dezembro de 2019, às 20h
Dias 14 e 15 de dezembro de 2019, às 18h
Ingressos: R$ 80 inteira e R$ 40 meia entrada
Pontos de venda: Teatro Pedro Ivo, TAC, CIC