FCC FacebookTwitterYoutube

A cidade de Joinville receberá uma sessão especial do Projeto Cinema Ao Vivo no sábado, dia 04 de agosto. Será apresentado o filme clássico “Tempos Modernos”, de 1936, com trilha sonora executada ao vivo pela banda Orquestra Manancial da Alvorada, de Florianópolis. A exibição está marcada para 19h30, no Sesc Joinville. A entrada é gratuita e a classificação etária livre. A ação é uma parceria entre Museu da Imagem e do Som de Santa Catarina (MIS/SC) e o Sesc Joinville.

Considerada uma das obras-primas do cinema mudo, “Tempos Modernos” é uma criação do diretor Charlie Chaplin. A trilha sonora será executada ao vivo durante as exibições, como era comum na era do cinema mudo. Só que desta vez, a sonoridade submerge da inspiração contemporânea de uma das bandas instrumentais catarinenses mais celebradas no cenário da música nacional.

Esta é a essência do Cinema ao Vivo: proporcionar ao público a oportunidade de assistir grandes espetáculos que remontam às origens do cinema mundial. Assim, resgata-se a tradição do antigo “cinema mudo”, em que, devido a limitações tecnológicas, o som era executado ao vivo a cada exibição, o que tornava cada sessão única. Agora com mais recursos é possível criar uma atmosfera, onde o passado e o presente ganham uma nova relevância em termos de experiência cinematográfica.

Sobre o projeto

O projeto Cinema ao Vivo teve início em 2015 e já adaptou para as telas quatro filmes: “Nosferatu”, com Skrotes, e as comédias “O Circo” (Charlie Chaplin, 1928), com a Banda da Lapa, “A General” (de Buster Keaton, 1926), com a Orquestra de Choro do Campeche de Florianópolis, e “Tempos Modernos” (Charlie Chaplin, de 1936), com a trilha composta pela Orquestra Manancial da Alvorada.

Sobre o filme


O icônico vagabundo está empregado em uma fábrica, onde as máquinas inevitável e completamente o dominam e vários percalços o levam para a prisão. Entre suas passagens pela prisão, ele conhece e faz amizade com uma garota órfã. Ambos, juntos e separados, tentam lidar com as dificuldades da vida moderna, o Vagabundo trabalhando como garçom e, eventualmente, um artista.

Sobre a banda

A Orquestra Manancial da Alvorada é um noneto composto por Julian Brzozowki (saxofone tenor, violão, voz, composição) Rafael Pfleger (baixo, produção); Fabio Cadore (percussão); Dandara Manoela (voz, percussão); Daniel Postal (guitarra, voz); Paulo Zanetti (saxofone soprano, saxofone tenor, clarone); Charles Kobarg (acordeon, voz); Leonardo Schmidt (guitarra, percussão) e Gabriel Dutra (bateria, sintetizador). Unindo artistas dos mais diferentes gêneros, a Orquestra Manancial da Alvorada acaba entrecruzando as cenas do jazz, samba, rock e sertanejo, ao trazer rostos dos mais diversos cantos da musica florianopolitana.

O grupo iniciou suas atividades em outubro de 2015, e concluiu seu primeiro ano de trabalho apresentando o espetáculo Via Várzea no Teatro Álvaro Carvalho no dia 18 de outubro de 2016, como parte do festival FloripaNoise.

Link em vídeo: https://youtu.be/0Uc70mhbkuw

Serviço

O quê: Cinema ao Vivo com o filme “Tempos Modernos” e trilha sonora executada ao vivo pela Orquestra Manancial da Alvorada

Quando: 04 de agosto de 2018, às 19h30

Onde: Sesc Joinville - R. Itaiopolis, 470 - América, Joinville

Entrada: Gratuita – Distribuição de senhas uma hora antes do início do espetáculo

Classificação etária: livre.

O município de Rio do Sul receberá, no dia 03 de agosto, a apresentação do clássico “Tempos Modernos”, de 1936, com trilha sonora executada ao vivo pela banda Orquestra Manancial da Alvorada, de Florianópolis. A exibição está marcada para as 20h, no Teatro Embaixo da Ponte, com entrada gratuita. A classificação etária é livre. A ação é uma parceria entre o Museu da Imagem e do Som de Santa Catarina (MIS/SC) e o Teatro Embaixo da Ponte.

Considerada uma das obras-primas do cinema mudo, “Tempos Modernos” é uma criação do diretor Charlie Chaplin. Por meio do projeto, a trilha sonora será executada ao vivo durante as exibições - como era comum na era do cinema mudo. Só que desta vez, a sonoridade submerge da inspiração contemporânea de uma das bandas instrumentais catarinenses mais celebradas no cenário da música nacional.
Esta é a essência do Cinema ao Vivo, proporcionar ao público a oportunidade de assistir grandes espetáculos que remontam às origens do cinema mundial. Assim, resgata-se a tradição do antigo cinema mudo em que, devido a limitações tecnológicas, o som era executado ao vivo a cada exibição, o que tornava cada sessão única. Agora com mais recursos é possível criar uma atmosfera, onde o passado e o presente ganham uma nova relevância em termos de experiência cinematográfica.

Link em vídeo: https://youtu.be/0Uc70mhbkuw

Sobre o projeto
O projeto Cinema ao Vivo teve início em 2015 e já adaptou para as telas quatro filmes: “Nosferatu”, com Skrotes, e as comédias “O Circo” (Charlie Chaplin, 1928), com a Banda da Lapa, “A General” (de Buster Keaton, 1926), com a Orquestra de Choro do Campeche de Florianópolis, e “Tempos Modernos” (Charlie Chaplin, de 1936), com a trilha composta pela Orquestra Manancial da Alvorada.

Sobre o filme
O icônico Vagabundo está empregado em uma fábrica, onde as máquinas inevitável e completamente o dominam e vários percalços o levam para a prisão. Entre suas passagens pela prisão, ele conhece e faz amizade com uma garota órfã. Ambos, juntos e separados, tentam lidar com as dificuldades da vida moderna, o Vagabundo trabalhando como garçom e, eventualmente, um artista.

Sobre a banda
A Orquestra Manancial da Alvorada é um noneto composto por Julian Brzozowki (saxofone tenor, violão, voz, composição) Rafael Pfleger (baixo, produção); Fabio Cadore (percussão); Dandara Manoela (voz, percussão); Daniel Postal (guitarra, voz); Paulo Zanetti (saxofone soprano, saxofone tenor, clarone); Charles Kobarg (acordeon, voz); Leonardo Schmidt (guitarra, percussão) e Gabriel Dutra (bateria, sintetizador). Unindo artistas dos mais diferentes gêneros, a Orquestra Manancial da Alvorada acaba entrecruzando as cenas do jazz, samba, rock e sertanejo, ao trazer rostos dos mais diversos cantos da musica florianopolitana.
O grupo iniciou suas atividades em outubro de 2015, e concluiu seu primeiro ano de trabalho apresentando o espetáculo Via Várzea no Teatro Álvaro Carvalho no dia 18 de outubro de 2016, como parte do festival FloripaNoise.

Sobre o Teatro Embaixo da Ponte
O Espaço Cultural Moysés Boni é um espaço único. Localizado embaixo da ponte Curt Hering, no centro da cidade de Rio do Sul. Integra o Parque Universitário Unidavi (PUNF - Parque Universitário Norberto Frahm), com amplo estacionamento e outros equipamentos culturais, como o Museu da Madeira e Espaço de Cultura Indígena.
Criado em 2004, o espaço comporta até 200 pessoas, com estrutura técnica para iluminação, fechamento lateral (blackout) e excelente acústica. Já recebeu mais de 300 atividades culturais de diversos lugares do Brasil, além de apresentações da Espanha, Canadá, Argentina, Uruguai e Chile. Cada vez mais o Teatro Embaixo da Ponte, como é popularmente conhecido, vem assumindo seu lugar como exemplo de inventividade e demonstrando o poder ressignificador da arte.

Serviço
O quê: Cinema ao Vivo com o filme “Tempos Modernos” e trilha sonora executada ao vivo pela Orquestra Manancial da Alvorada
Quando: 03 de agosto de 2018, às 20h.
Onde: Teatro Embaixo da Ponte - embaixo da ponte Curt Hering
Entrada: gratuita, com distribuição de senhas uma hora antes do início do espetáculo.
Classificação etária: livre.

A mostra Intraduzível abre no dia 2 de agosto, às 19h, no MIS (Museu da Imagem e do Som de Santa Catarina), em Florianópolis. A visitação tem entrada gratuita, de terça a domingo, das 10h às 21h.

A proposta é de Silvana Macêdo, que teve sua carreira artística iniciada nos anos 1990, alcança reconhecimento pela amplitude de suas pesquisas que, em diferentes linguagens, aproximam arte, ciência e feminismo, entre outras abordagens. Suas ações se situam no campo do artivismo, termoassociado a experimentações estéticas que problematizam e adotam estratégias de discussão em torno de certas causas.

Ao reunir trabalhos realizados com diferentes colaboradores ao longo de sua trajetória, a artista propõe um estudo da sua obra em diferentes períodos, de 1997 até 2017. A mostra Intraduzível, com curadoria de Juliana Crispe, traz trabalhos inéditos no Brasil criados em colaboração com a artista finlandesa Henna Asikainen, o compositor Frederico Macêdo e o astrofísico iraniano Reza Tavakol. A abertura prevê, às 20h, uma conversa com as artistas Henna Asikainen e Silvana Macêdo e a curadora Juliana Crispe.

Até o dia 9 de setembro, a exposição permitirá conhecer trabalhos realizados no Reino Unido, onde Silvana Macêdo estudou na NorthumbriaUniversity, Newcastle. Voltada aos multimeios, ela investiga a complexa relação entre arte, ciência e natureza. Nascida em Goiânia em 1966, moradora de Florianópolis desde 2004, onde atua como professora do Departamento de Artes Visuais da Udesc (Universidade do Estado de Santa Catarina), ela pinta, grava e transita em pesquisa telepresença, tecnologias novas e antigas.

Os trabalhos que compõem a mostra são uma série de fotografias e quatro instalações, as videoinstalações lab (2017), ar (2001-3), lua (2005-7), a videoinstalação sonora cooperari (2007) e a instalação trabalho de campo (2017).

Serviço da Mostra
O quê: Mostra Intraduzível
Quando: 2.8.2018, 19h (abertura). 20h, conversa com as artistas Silvana Macêdo e Henna Asikainen e a curadora Juliana Crispe.
Visitação: Até 9.9.2018, de terça a domingo, 10h às 21h
Onde: Museu da Imagem e do Som de Santa Catarina, av. Gov. Irineu Bornhausen, 5.600, bairro Agronômica, Florianópolis, tel.: 3664-2555
Quanto: Gratuito

Serviço da visita mediada
O quê: Visita mediada com Silvana Macêdo
Quando: 22.8.2018, 19h
Onde: Museu da Imagem e do Som de Santa Catarina, av. Gov. Irineu Bornhausen, 5.600, bairro Agronômica, Florianópolis, tel.: 3664-2555
Quanto: Gratuito
Perfil do público: evento aberto, voltado a estudantes dos cursos de graduação e pós-graduação em artes visuais, cinema, música, além de artistas e pesquisadores dessas áreas; grupos comunitários interessados na relação da arte com a ecologia e defesa do meio ambiente, biólogos e ambientalistas

Serviço da palestra
O quê: Palestra Conversa Intraduzívelcom Ana Ferreira Maio
Quando: 29.8.2018, 19h
Onde: Museu da Imagem e do Som de Santa Catarina, av. Gov. Irineu Bornhausen, 5.600, bairro Agronômica, Florianópolis, tel.: 3664-2555
Quanto: Gratuito
Perfil do público: aberto, estudantes de cinema, artes visuais, design ou áreas afins

Serviço da oficina
O quê: Festival de Vídeo 24h Arte & Meio Ambiente, com Silvana Macêdo
Quando: 31.8 a 1.9.2018
Onde: Museu da Imagem e do Som de Santa Catarina, av. Gov. Irineu Bornhausen, 5.600, bairro Agronômica, Florianópolis, tel.: 3664-2555
Quanto: Gratuito.

Realização: MIS (Museu da Imagem e do Som, PPGAV (Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais), Ceart (Centro de Artes), Udesc (Universidade do Estado de Santa Catarina).

Texto: Neri Pedroso

Foto: Cooperari Instalação Vespa / Divulgação

Em atendimento à legislação eleitoral, a partir do dia 7 de julho e até o final do período eleitoral, estão suspensas as atualizações deste site, exceto a agenda cultural.

Para mais informações, consulte o site www.sc.gov.br.

O projeto Cinema ao Vivo estará em Araranguá no dia 28 de julho para a apresentação da comédia clássica “O Circo”, de Charlie Chaplin, de 1928, com trilha sonora executada ao vivo pela Banda da Lapa, de Florianópolis. A exibição está marcada para 28 de julho, às 19h30, no auditório Plínio W. Linhares, no Center Shopping Araranguá. A entrada é gratuita (com distribuição de ingressos uma hora antes da apresentação) e a classificação etária é livre.

A essência do Cinema ao Vivo é proporcionar ao público a oportunidade de assistir grandes espetáculos que remontam às origens do cinema mundial. Assim, resgata-se a tradição do antigo 'cinema mudo', em que, devido a limitações tecnológicas, o som era executado ao vivo a cada exibição, o que tornava cada sessão única. Agora com mais recursos é possível criar uma atmosfera, onde o passado e o presente ganham uma nova relevância em termos de experiência cinematográfica.

 

Serviço

O quê: Cinema ao Vivo com o filme “O Circo” e trilha sonora executada ao vivo pela Banda da Lapa

Quando: 28 de julho de 2018, às 19h30.

Onde: Auditório Plínio W. Linhares, Center Shopping - Av. Sete de Setembro, 705 - Araranguá.