FCC FacebookTwitterYoutube

A 15ª edição do Acústico Brognoli apresenta o show Suave Singularidade no palco do Teatro Ademir Rosa, no Centro Integrado de Cultura (CIC). o espetáculo ocorre neste sábado (23), às 21h.

O show apresenta Jade Baraldo, Flora Cruz, Joana Castanheira e Julia Sicone, vozes femininas que vão interpretar os ritmos do soul, pop, R&B e jazz. A direção musical é de Luiz Zago.

O Acústico Brognoli apresenta diversos ritmos musicais e artistas locais e nacionais nos palcos por onde passa, desde 2005. Nesta edição, foram chamadas para compor o evento mulheres donas de uma voz e escrita poderosas, contando e cantando sua visão do mundo contemporâneo e transitando pelas diversas cenas da música popular, mesclando elementos do soul, R&B, eletrônico, MPB, jazz e pop em suas vozes e texturas.

Serviço:

O quê: 15ª edição do Acústico Brognoli: Suave Singularidade
Quando: 23 de novembro de 2019, às 21h
Onde: Teatro Ademir Rosa - Localizado no Centro Integrado de Cultura (CIC)
Av. Gov. Irineu Bornhausen, 5600 - Agronômica - Florianópolis (SC)
Classificação indicativa: livre
Ingressos:
1º lote
Filas A a S - R$ 90,00 inteira; R$ 45,00 meia-entrada (estudantes, idosos, pessoas com deficiência, menores de 18 anos, doadores regulares de sangue e professores); R$ 45,00 funcionários da Brognoli.
Filas T a Zb - R$ 80,00 inteira; R$ 40,00 meia-entrada (estudantes, idosos, pessoas com deficiência, menores de 18 anos, doadores regulares de sangue e professores); R$ 40,00 funcionários da Brognoli.
2º lote
Filas A a S - R$ 110,00 inteira; R$ 55,00 meia-entrada (estudantes, idosos, pessoas com deficiência, menores de 18 anos, doadores regulares de sangue e professores); R$ 55,00 funcionários da Brognoli.
Filas T a Zb - R$ 100,00 inteira; R$ 50,00 meia-entrada (estudantes, idosos, pessoas com deficiência, menores de 18 anos, doadores regulares de sangue e professores); R$ 50,00 funcionários da Brognoli.
**Venda nas bilheterias dos teatros e no site Ingresso Nacional. Ingressos não numerados.

A sessão Cinemática fecha o terceiro ano de atividades consolidando parcerias, por meio da exibição de diversos filmes na sala de cinema do Centro Integrado de Cultura (CIC). Assim, para encerrar com chave de ouro, haverá sessão gratuita do filme Bacurau, maior sucesso de público da Vitrine Filmes, com debate com o professor de cinema Alexandre Linck e convidados.  As sessões serão nos dias 02 e 03 de dezembro (segunda e terça), às 20h. Inicialmente havia a previsão de uma sessão de estreia do filme Meu amigo Fela na terça, dia 03, porém foi adiada devido ao grande interesse pelo filme Bacurau.

Está mantida a exibição do filme Midsommar no dia 04 (quarta), às 20h. O longa foi escolhido para marcar as comemorações do solstício de verão na ilha da magia negra. O filme, de Ari Aster, vem provocando reações controversas por onde passa. Também acontecerá uma conversa com o crítico co-fundador do Floripa Que Horror! Andrey Lehnemann.

Sobre a Sessão Cinemática

Em 2019 foram criadas e produzidas - entre diversos eventos como Semana Filmes de Plástico, Ciclo Artistas, Sessão Povos Originários e lançamento de livro sobre Pasolini - as ações temáticas Floripa Que Horror! Festival Internacional de Cinema Fantástico e o Festival Cinema Negro SC, que levaram à tela da sala de cinema 25 curtas e médias e 12 longas-metragens, sempre com debates, oficinas e premiações.

Sobre os filmes

Dias 02 e 03: BACURAU

Direção: Kleber Mendonça Filho, Juliano Dornelles
Elenco: Sônia Braga, Udo Kier, Barbara Colen, Silvero Pereira, Karine Teles, Antonio Saboia

Gêneros Drama, Suspense, Faroeste
Nacionalidades Brasil, França
2019

Não recomendado para menores de 16 anos
Pouco após a morte de dona Carmelita, aos 94 anos, os moradores de um pequeno povoado localizado no sertão brasileiro, chamado Bacurau, descobrem que a comunidade não consta mais em qualquer mapa. Aos poucos, percebem algo estranho na região: enquanto drones passeiam pelos céus, estrangeiros chegam à cidade pela primeira vez. Quando carros se tornam vítimas de tiros e cadáveres começam a aparecer, Teresa (Bárbara Colen), Domingas (Sônia Braga), Acácio (Thomas Aquino), Plínio (Wilson Rabelo), Lunga (Silvero Pereira) e outros habitantes chegam a conclusão de que estão sendo atacados. Falta identificar o inimigo e criar coletivamente um meio de defesa.
Classificação 16 anos.
Distribuidora Vitrine Filmes

Prêmio do Júri do Festival de Cannes
Melhor Filme Filmfest Münschen
Melhor Filme e Melhor Direção Festival de Lima

 


Dia 04: MIDSOMMAR

Direção: Ari Aster
Elenco: Florence Pugh, Jack Reynor, Will Poulter mais
Gênero Terror
Nacionalidade: EUA
2019, Duração 02h27min

Após vivenciar uma tragédia pessoal, Dani (Florence Pugh) vai com o namorado Christian (Jack Reynor) e um grupo de amigos até a Suécia para participar de um festival local de verão. Mas, ao invés das férias tranquilas com a qual todos sonhavam, o grupo vai se deparar com rituais bizarros de uma adoração pagã.

Classificação 18 anos.
Distribuidora A24 /Paris Filmes

Informações dos eventos:

Bacurau
https://www.facebook.com/events/746236255891835/ 

Classificação 16 anos

 

Midsommar
https://www.facebook.com/events/967082243670179/ 

Classificação 18 anos.

É na sala Lindolf Bell, do Centro Integrado de Cultura (CIC), que a Associação Catarinense dos Artistas Plásticos (Acap) traz à comunidade a exposição Resistência: ato poético em cor e forma. A abertura da coletiva está marcada para o dia 28 de novembro, às 19h, e deve seguir recebendo visitantes até 12 de dezembro. Com diferentes tipos de narrativas, os trabalhos consagram a essência criativa dos artistas e colocam em pauta a questão da resistência a partir da arte e de seus processos.

As obras revelam individualidades transformadas em cores e formas, e atravessam conceitos políticos, geográficos, biológicos, históricos, filosóficos, afetivos e simbólicos. Os trabalhos expostos ainda trazem à tona o papel da arte enquanto forma de enfrentamento das amarras sociais: a partir de um conjunto de complexidades expressivas, os desenhos,  pinturas, fotografias, esculturas, impressões, bordados, instalações e aquarelas produzidos buscam resistir às tentativas de limitações políticas e criativas que são, muitas vezes, impostas no cotidiano em sociedade.

Com curadoria de Meg Tomio Roussenq, a exposição conta com obras de 18 associados da Acap, que, durante dois meses, pensaram suas produções a partir do tema proposto. As visitas vão acontecer de terça a domingo, das 9h às 21h, na sala Lindolf Bell, do Centro Integrado de Cultura (CIC).

“Resistência: ato poético em cor e forma” é composta por trabalhos de APratesHDO; Borba; David Ronce; Elenice Berbigier; Eliane Veiga; Estela Ramos; Gelsyr Ruiz; Jaime Baião; Jassirene; José Carlos da Rocha; Maria Esmênia; Mariette Van Sande; Marilene de Orleans; Miriam Porto; Nelma Camargo; Raquel Piffer; Schmidt; e Soli.


Sobre a Acap:

Foi fundada em 18 de março de 1975 por um grupo de renomados artistas com objetivo e compromisso de promover e divulgar os bens culturais e artísticos de Santa Catarina. Os ideais dos artistas fundadores somam-se a outros determinados em não deixar morrer um trabalho associativo em favor do desenvolvimento cultural do estado.

Serviço:
Exposição Resistência: ato poético em cor e forma
Abertura: 28/11, às 19h
Visitação: 29/11 a 12/12
Local: CIC - Sala Lindolf Bell
Horário de visitação: terça a domingo, das 9h às 21h
Classificação indicativa: livre
Entrada gratuita,

A Camerata Florianópolis apresenta duas noite com repertório de rock no palco do Teatro Ademir Rosa nesta semana. A primeira será na quinta-feia (21), com o show Rock'n Camerata; a segunda, na sexta-feira (22) com Tributo ao Queen. Ambos os shows começam às 20h.

O Rock’n Camerata volta do Teatro com repertório renovado. Integram o espetáculo a Camerata Florianópolis em conjunto com a banda Brasil Papaya instrumental, com regência do maestro Jeferson Della Rocca, arranjos do compositor e pianista Alberto Heller e os vocalistas Daniel Galvão, Carla Domingues e Rodrigo “Gnomo” Matos. No setlist do show, músicas de Antonio Vivaldi, Elvis Presley,The Beatles, Audioslave, Kiss, entre outros.

Já o Tributo ao Queen presta uma homenagem à banda inglesa de pop-rock, com alguns dos maiores sucessos do grupo em arranjos para orquestra de cordas e banda de rock.Integram o espetáculo, além dos músicos da Camerata Florianópolis regida pelo maestro Jeferson Della Rocca, os vocalistas Daniel Galvão, Carla Domingues, Rodrigo “Gnomo” Mattos e Dudu Fileti, os guitarristas Eduardo Pimentel e Renato Pimentel, o baixista Baba Junior, os percussionistas Rodrigo Paiva e Marcio Bicaco e o baterista Ginho Bernardes. Os arranjos orquestrais são do compositor e pianista Alberto Heller. A produção de ambos os espetáculos é assinada por Maria Elita Pereira.

Serviços:

O quê: Rock'n Camerata
Quando: 21 de novembro de 2019, às 20h

O quê: Tributo ao Queen
Quando: 22 de novembro de 2019, às 20h

Onde: Teatro Ademir Rosa - Localizado no Centro Integrado de Cultura (CIC)
Av. Gov. Irineu Bornhausen, 5600 - Agronômica - Florianópólis
Classificação indicativa: livre
Ingressos: Filas A a S - R$ 110,00 inteira; R$ 55,00 meia-entrada (estudantes, idosos, pessoas com deficiência, menores de 18 anos, doadores regulares de sangue e professores); R$ 88,00 convênio (Clube NSC);
Filas T a Zb - R$ 80,00 inteira; R$ 40,00 meia-entrada (estudantes, idosos, pessoas com deficiência, menores de 18 anos, doadores regulares de sangue e professores); R$ 64,00 convênio (Clube NSC).
**Venda nas bilheterias dos teatros e no site Blueticket. Ingressos numerados.

Se Cruz e Sousa estivesse vivo, que mensagem você escreveria para ele?  É com essa proposta que visitantes do Museu Histórico de Santa Catarina (MHSC), sediado no Palácio Cruz e Sousa, são convidados a deixar recados para o poeta, pendurando bilhetes em uma escultura de árvore de metal, instalada na sala que abriga os restos mortais do poeta. A ação foi pensada para marcar o aniversário de Cruz e Sousa, comemorado no dia 24 de novembro.

A árvore tem um ninho que representa o nascimento. "Minha inspiração vem do fato que os ninhos representam as casas, o pouso e o afeto", explica a administradora do MHSC, Lena Peixer, criadora da escultura. A árvore ficará no local até dia 30 de novembro e, posteriormente, os bilhetes serão lidos em um evento nos jardins do Palácio Cruz e Sousa. "Depois de lidas, as mensagens serão queimadas para que cheguem ao céu", explica Lena Peixer.

O MHSC fica na Praça XV de Novembro, 227, em Florianópolis. O horário de atendimento é de segunda a sexta-feira das 10h às 18h, aos sábados, domingos e feriados, das 10h às 16h.

Ascom FCC