FCC FacebookTwitterYoutube

Logo GOV SC 2019 Colorido

O Teatro Ademir Rosa recebe nesta quarta-feira (4) o concerto beneficente Mulheres em Movimento, que vai arrecadar fundos em prol da reforma e adaptação da estrutura da 6ª Delegacia de Proteção à Criança, ao Adolescente, à Mulher e ao Idoso (DPCAMI), no bairro Agronômica, em Florianópolis. O espetáculo começa às 20h.

O objetivo é tornar o espaço mais humanizado durante o atendimento de vítimas de violência doméstica. A noite terá, no palco, a participação do Sexteto de Cordas da Camerata Florianópolis; do pianista Alberto Heller; do grupo de choro de Wagner Segura e convidados; das sopranos Carla Domingues e Masami Ganev; da violinista Iva Giracca; do gaiteiro Roger Correa; do grupo de danças espanholas do Studio Ale Gutierres Arte&Terapia; com narração de Maristela Borges .

Serviço:

O quê: Concerto beneficente Mulheres em Movimento
Quando: 4 de março de 2020, às 20h
Onde: Teatro Ademir Rosa - Localizado no Centro Integrado de Cultura (CIC)
Av. Gov. Irineu Bornhausen, 5600 - Agronômica, Florianópolis
Ingressos: R$ 50,00 inteira; R$ 25,00 meia-entrada (estudantes, idosos, pessoas com deficiência, menores de 18 anos, doadores regulares de sangue e professores).
Venda nas bilheterias dos teatros. Ingressos numerados.

Com o objetivo de atrair a visitação de grupos escolares neste início de ano letivo, o Museu da Imagem e do Som de Santa Catarina (MIS/SC) prorrogou até 29 de março a exposição O que VEM antes da nuVEM . De cunho pedagógico, a mostra recebe grupos gratuitamente mediante agendamento prévio pelo telefone (48) 3664-2652 ou e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Nas últimas décadas o armazenamento e a reprodução de arquivos migraram do físico para o digital. Mudou a forma de salvar documentos, ouvir música e assistir conteúdo audiovisual. Crianças e jovens sequer conhecem as fitas magnéticas. Assim, a partir do acervo de equipamentos e da coleção didática do MIS/SC, a exposição faz um passeio no tempo mostrando suportes, mídias e players que fizeram história no registro de vídeos, fotografias e músicas até o momento atual, com o advento da digitalização dos arquivos.

Estão expostas cerca de 50 peças que revelam como era feito o armazenamento e como eram os meios de reprodução antes do surgimento das chamadas "nuvens". A visitação pode ser feita de terça a domingo das 10h às 21h. O agendamento é gratuito e contempla grupos de até 30 pessoas, que poderão apreciar a exposição em cartaz.

Serviço:

O quê: Exposição O que VEM antes da nuVEM
Local: Museu da Imagem e do Som de Santa Catarina (MIS/SC) - Localizado no Centro Integrado de Cultura (CIC)
Av. Gov. Irineu Bornhausen, 5600 - Agronômica - Florianópolis (SC)
Visitação: prorrogada até 29 de março de 2020. De terça-feira a domingo, das 10h às 21h
Classificação indicativa: livre
Entrada gratuita.

O Projeto Armazém, com sede no Espaço Cultural Armazém – Coletivo Elza, em Florianópolis, cataloga mil peças do acervo, lança um site e o livro Projeto Armazém (Editora Caseira). As três ações demonstram o quanto a associação entre arte, trabalho, credibilidade e a conquista de um prêmio como o Edital Elisabete Anderle 2017 de Estímulo à Cultura assegura um novo patamar no desenvolvimento de propósitos e dimensões de uma iniciativa no campo das artes visuais. O aval do governo do Estado de Santa Catarina, num montante de R$ 100 mil, possibilitou a realização do 16º Armazém - O Mundo como Armazém, exposição que envolveu 439 artistas e 921 trabalhos entre abril e junho de 2018, uma feira e o seminário Diálogos sobre o Múltiplo e Publicações de Artista ocorridos em junho de 2018 para estimular a aquisição de obras de arte e aprofundar reflexões em torno de investigações entre publicação de artista, o múltiplo, arquivo e coleção.

O lançamento do site projetoarmazem.com e do livro está previsto para a próxima sexta-feira, dia 28, às 19h, no encerramento da 22ª edição do Projeto Armazém intitulada Arte Menor que movimentou o Espaço Cultural Armazém – Coletivo Elza de 1º a 28 de fevereiro de 2020. Na ocasião, ocorrerá uma conversa sobre a irradiação do projeto no circuito de arte de Santa Catarina e do País. A catalogação e o lançamento do site ampliam o acesso ao acervo, uma vitalidade desejada pelos integrantes da equipe: Andressa Argenta, Beatriz Lima, Bruna Ribeiro, Fran Favero, Francine Goudel, Joana Amarante, Juliana Crispe e Matheus Abel.

O livro Projeto Armazém apresenta textos e proposições artísticas de 14 pesquisadores envolvidos nas ações do Projeto Armazém ao longo de sua trajetória. Assinados por Juliana Crispe, Fran Favero, Daniele Zacarão, Sandra Favero, Lilian Amaral, Baixo Ribeiro, Francine Goudel, Ricardo Corona, Helene Sacco, Amir Cador, Raquel Stolf, Marina Moros, Franzoi e Néri Pedroso aprofundam, em 168 páginas, uma compreensão sobre o Armazém, idealizado em 2011 como um grande encontro entre artistas, coletivos, editoras independentes e público em torno de exposições, mostras, feiras, oficina, seminários, com obras de arte com caráter múltiplo, ou seja, produzidas em pequenas ou grandes tiragens/reproduções e publicações de artistas. Sem sumário e biografia dos autores, sem hierarquia, em consonância com os pressupostos do Armazém que não se utilizam de etiquetas indicativas nas exposições, o livro inclui ainda a ficha técnica das primeiras 20 edições e uma edição em parceria com a Tenda de Livros. O design gráfico é de Tina Merz que, na escolha do papel e na criação, valoriza as características do projeto. A Editora Caseira é de Gustavo Reginato, especializada em publicações de artistas. A organização do livro é da idealizadora do projeto Juliana Crispe em parceria com Francine Goudel.

O site oferecerá informações sobre o Projeto Armazém, das edições já realizadas, e das obras em acervo. O intuito é ser uma plataforma de pesquisa para os interessados em obras com formato de múltiplo e publicação de artista.

Análise de resultados

O reconhecimento da Fundação Nacional de Artes, do extinto Ministério da Cultura, através do mapeamento Territórios da Arte (Funarte/UFF) como único coletivo independente do Sul do Brasil na área de artes visuais a ser selecionado para edição em Niterói na Universidade Federal Fluminense, confere um caráter de celebração, sobretudo no encerramento do projeto legitimado pelo Edital Elisabete Anderle 2017, quando se analisa os resultados e a importância da conquista do prêmio que permitiu o alargamento de interlocuções e do acervo em nível estadual e nacional.

As mil obras reunidas em 2017 hoje somam cerca de 3 mil. A visibilidade alcançada pelas ações amplia o interesse dos artistas e do público, resulta numa melhor compreensão sobre a reprodutibilidade de trabalhos artísticos e o seu valor, estimula o desejo de aquisição e o colecionismo no Estado. Ao atender sucessivos convites para novas exposições e eventos de reflexão, refina articulações com o sistema de arte do Brasil.

O anúncio do Prêmio Jovens Curadores 2019, concedido pela Bienal Internacional de Arte Contemporânea de Curitiba para Juliana Crispe, reconhece a sua trajetória como pesquisadora e autora de projetos, entre eles a idealização do Projeto Armazém. Há 12 anos atuando como curadora, contabiliza mais de cem iniciativas curatoriais que ajudam a potencializar a produção de artes visuais no Estado em contexto nacional e internacional. Para Juliana, o prêmio é o desdobramento de um trabalho que dá voz a artistas de diferentes gerações. Com Francine Goudel e outras mulheres, administra o Espaço Cultural Armazém – Coletivo Elza, criado em 2016 da união de um grupo com atuação multidisciplinar em um ambiente e plataforma propulsora de ações voltadas ao cuidado de mulheres e crianças, com foco no feminismo, na maternidade, visibilidade dos artistas de Santa Catarina e do acesso da comunidade à cultura, sobretudo a comunidade do Sambaqui, onde o espaço cultural funciona de quarta a sexta, com eventos e horários extras.

Sobre o Armazém

Criado em 2011, o Projeto Armazém apresenta, por meio de exposições e feiras de arte, obras que sejam múltiplos como publicações de artista, livros de artista, cadernos de artista, cadernos de desenho, diários de artista, diários de bordo, postais, panfletos, cartazes, gravuras, fanzines, lambe-lambes, stickers, cartões, carimbos, objetos, etc; ou seja, trabalhos que tenham tiragens. Três fatores dão título ao projeto: a primeira edição aconteceu em Florianópolis (SC), no Museu Victor Meirelles, instalado na casa natal de Victor Meirelles na qual funcionou um bar e armazém em parte da primeira metade do século 20. Além das relações com o espaço físico da instituição, a edição inaugural referencia o grupo Fluxus e o texto de Arthur C. Danto, O Mundo como Armazém: Fluxus e Filosofia, no livro O que é Fluxus? O que Não É! O Porquê (Centro Cultural do Banco do Brasil/The Gilbert an Lila Silverman Collection Foundation/2002).

Outro fator inspirador é a imagem utilizada nos cartazes das edições, uma fotografia de acervo familiar da idealizadora do projeto, Juliana Crispe. Um retrato do seu bisavô, Osvaldo Manoel Valgas, conhecido como seu Vadico, que entre as décadas de 1930 e 1990 foi sócio/funcionário de um armazém, no bairro Prainha, próximo ao centro da cidade de Florianópolis.

Desde 2011, o Armazém contabiliza a participação de mais de 500 artistas/coletivos brasileiros e alguns estrangeiros. Ao longo desses anos, formou um acervo de trabalhos com cerca de 3 mil obras em sua coleção.

Armazém é um espaço propositor de relações com a arte. A coleção e as mostras se dão num conjunto heterogêneo e desprendido de hierarquias, valoriza o múltiplo e o coletivo como força pulsante e necessária para as artes.

Ficha técnica – livro Projeto Armazém

Projeto contemplado pelo Edital Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura/2017.

Ano de execução 2018-2019

Organização: Juliana Crispe e Francine Goudel

Autores: Juliana Crispe, Fran Favero, Daniele Zacarão, Sandra Favero, Lilian Amaral, Baixo Ribeiro, Francine Goudel, Ricardo Corona, Helene Sacco, Amir Cador, Raquel Stolf, Marina Moros, Franzoi e Néri Pedroso

Fotografias: Endrigo Righeto, Feira Solar, Fran Favero, Francine Goudel, Jane Rafaela, Juliana Crispe, Manolo Carlos, Marcio Silveira, Maria Eduarda Müller, Museu Victor Meirelles, Nacasa Coletivo Artístico, Néri Pedroso, O Sítio, Rodrigo Sambaqui, Sarah Uriarte e Sergio Adriano H.

Revisão de texto: Fran Favero, Francine Goudel, Juliana Crispe, Patrícia Galelli e Virginia Vianna.

Designer gráfica: Tina Merz 

Editora Caseira

Realização: Projeto Armazém, Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais, Universidade do Estado de Santa Catarina

Apoio: Edital Elisabete Anderle de Estimulo à Cultura, Funcultural, Fundação Catarinense de Cultura e Governo do Estado de Santa Catarina

Apoio Cultural: Departamento de Artes Visuais, Centro de Artes (Udesc), Espaço Cultural Armazém – Coletivo Elza, Farmácia Ponta do Goulart e Multicor Fine Art 

Produção:Lugar Específico – Francine Goudel

Serviço:

O quê: Lançamento oficial do site projetoarmazem.com e do livro Projeto Armazém
Quando: 28 de fevereiro de 2020, às 19h
Onde: Espaço Cultural Armazém – Coletivo Elza
Rodovia Gilson da Costa Xavier, 1384 - Sambaqui - Florianópolis
Quanto: Entrada e distribuição de livros gratuitas

Trabalhar as emoções, desenvolver a sensibilidade, a percepção auditiva, a criatividade, a autoestima e a sociabilidade. Esses são alguns dos benefícios que a vivência musical possibilita a pessoas de todas as idades – especialmente aos pequenos. Contemplado no Prêmio Elisabete Anderle 2019, o projeto “Música Brasileira nas Escolas e Ceis” faz sua estreia em 18 de março, na Escola Municipal Vicente Vieira (Garuva) – conduzido pelo maestro Rafael Huch ao piano e a cantora lírica Karla Ziemer Huch. Ambos são naturais de Joinville e vêm contribuindo com o cenário artístico da região, promovendo vivências voltadas à formação de plateia, oportunizando acesso amplo e gratuito da comunidade à música de concerto.

O projeto percorrerá sete instituições de ensino, durante os meses de março e abril, somando 13 apresentações didáticas, que resgatam compositores como Heitor Villa Lobos, Alberto Nepomuceno e Carlos Gomes. “Nossa ideia é levar um repertório não habitual para o público infantil, em uma linguagem acessível, oferecendo aos estudantes uma atividade que vá além do currículo e do âmbito escolar, lembrando que a voz também é um instrumento, falar das técnicas de canto e desmistificar este universo do cancioneiro erudito”, explica Rafael.

Em Joinville, o projeto passará pelos bairros João Costa, Morro do Meio, Boa Vista e Adhemar Garcia. “As crianças têm a música naturalmente inserida em suas vidas desde muito cedo, faz parte do dia a dia delas – independentemente de classe social –, seja nas canções de ninar, brincadeiras, desenhos animados ou filmes. Queremos oportunizar o conhecimento deste segmento, o cancioneiro erudito, mostrar aos mais jovens, primeiramente, que ele existe, e que possui muitos adeptos e compositores no Brasil. Desta forma, também, contribuir para a preservação e difusão deste segmento musical”, enfatiza Karla, proponente do projeto.

 

CRONOGRAMA

Garuva

18/3 às 9h e às 13h30 - Escola Municipal Vicente Vieira

18/3 às 10h30 e às 15h30 - Escola Municipal Tancredo Neves

25/3 às 10h30 e às 14h - Centro de Educação Infantil Dente de Leite

Joinville

8/4 às 7h45 e às 16h - Escola Municipal Ruben Roberto Schmidlin

8/4 às 10h15 e às 13h45 - Centro de Educação Estrelinha Brilhante

9/4 às 10h15 e às 13h45 - Escola Municipal Governador Heriberto Hülse

23/4 às 10h30 - Escola Municipal Prefeito Luiz Gomes

Sobre os artistas

Rafael Huch começou os estudos em música aos sete anos, com formação inicial na Escola de Música Villa Lobos de Joinville (piano, canto, linguagem musical, harmonia e regência) e, já aos 16 anos, teve a primeira atividade como regente de coro na igreja luterana da cidade. Graduado em Composição e Regência, é especialista em Gestão e Educação Musical em Contexto Comunitário; e maestro fundador da Orquestra Prelúdio de Joinville (2011).

Incentivada pelo avô e musicista, Raul Ziemer, a soprano lírico Karla Ziemer Huch iniciou na música aos quatro anos. Ingressou na Escola de Música Villa-Lobos aos sete, onde cursou piano, flauta, regência e canto erudito sob orientação de Lenize Pohl. Estudou com o barítono Douglas Hahn e a soprano Luciana Melamed Steidl. Participou de master class com Niza de Castro Tank e Denise Sartori – com quem segue sob orientação. Na região Norte catarinense, vem se destacando como cantora solista e regente de coros.

A Camerata Florianópolis encerra neste sábado e domingo (29 e 1º) a série de apresentações em homenagem a bandas que fizeram história na música mundial. Desta vez, o tributo será à banda inglesa Queen, às 20h30, no palco do Teatro Ademir Rosa.

Além de lotar o CIC nas quatro edições anteriores, Tributo ao Queen estreou em maio passado e já viajou até a Ópera de Arame, em Curitiba, contemplando públicos de diversas localidades. A seleção inclui clássicos como Love Of My Life, Bohemian Rhapsody, I Want To Break Free e We Are The Champions, nas vozes de Daniel Galvão, Carla Domingues, Rodrigo “Gnomo” Mattos e Dudu Fileti.

Serviço:

O quê: Camerata Summer Festival 2020 - Tributo ao Queen
Quando: 29 de fevereiro e 1º de março de 2020, às 20h30
Onde: Teatro Ademir Rosa - Localizado no Centro Integrado de Cultura (CIC)
Av. Gov. Irineu Bornhausen, 5600 - Agronômica - Florianópolis
Classificação indicativa: Livre
Ingressos:
Filas A a S - R$ 120,00 inteira; R$ 60,00 (estudantes, idosos, pessoas com deficiência, menores de 18 anos, doadores regulares de sangue, professores e jovens carentes); R$ 96,00 Clube NSC e Clube ND; R$ 90,00 Intelbras e Associados Camerata;
Filas T a Zb - R$ 80,00 inteira; R$ 40,00 (estudantes, idosos, pessoas com deficiência, menores de 18 anos, doadores regulares de sangue, professores e jovens carentes); R$ 64,00 Clube NSC e Clube ND; R$ 60,00 Intelbras e Associados Camerata;
Venda nas bilheterias dos teatros e no site Blueticket. Ingressos numerados.
Ingresso para as três noites (dias 14/02, 20/02 e 01/03)*:
Filas A a S - R$ 270,00;
Filas T a Zb - R$ 180,00.
Venda nas bilheterias dos teatros e no site Blueticket. Ingressos numerados.
*Somente pelo site Blueticket.