FCC FacebookTwitterYoutube

Nos dias 17 e 18, às 20h, será apresentando o espetáculo gratuito "Enfronta" no Sesc Prainha, na capital, com a dançarina e coreógrafa em danças de matriz africana, Simone Fortes.

Investigar outras possibilidades de movimentação a partir de uma trajetória de quase 20 anos em práticas voltadas para as danças de matrizes africanas. Enquanto pesquisa, atenta para a pluralidade da mulher e suas culturas, fragilidades e forças, reconfigurando-se e tornando potente os encontros entre diferenças e formas. Este é o foco do trabalho solo de dança Enfronta, da artista Simone Fortes. Dirigido por Jussara Belchior, com assessoria de pesquisa de Luiz Canoa, grandes nomes da dança em Santa Catarina, as duas apresentações consolidam a pesquisa que a artista carrega consigo de forma poética e com entradas gratuitas para toda a população.


Para além dos estudos dos movimentos e da característica plural, Enfronta traz a trajetória da artista. Simone é movida pela cultura dos tambores, a qual vive e desenvolve incessantemente no corpo uma linguagem com base nas danças tradicionais da diáspora africana. Em especial as danças e o cotidiano do povo mandèn de Guiné Conakry, além de danças e movimentações afro-brasileiras de terreiros, sambas de roda, tambor de crioula, côco de roda, danças que têm o boi como personagem principal (como o bumba-meu-boi), bem como outras vertentes das movimentações afro-brasileiras que refletem, nestas relações, crenças e formas de tornar potente o passado e o tempo presente, entre culturas, força e leveza inerentes.


Como o próprio nome do espetáculo sugere, Enfronta tem como base dessa investigação as relações fronteiriças entre cruzamentos e pertencimentos. “Uma fronteira não é o ponto onde algo termina, é o ponto a partir do qual algo começa a se fazer presente”, ressalta Simone. E, assim, a artista faz-se presente. Ela conta que a decisão de fazer um espetáculo solo foi orgânica, mas não fácil. Por ser professora de dança e diretora artística do grupo Abayomi, está mais habituada a compor e coreografar para grupos e em coletivo. Assim, estar sozinha em cena, acaba sendo um desafio para ela. “Esta é uma experiência que estou saboreando e curtindo conforme o trabalho vai tomando corpo, caminhando junto com toda equipe de produção", conta. Ela frisa que cada integrante da equipe tem um papel de extrema importância para toda a concepção e desenvolvimento do espetáculo. "Estou bem satisfeita com o trabalho que viemos construindo juntos, aprendo muito com cada um envolvido neste projeto”, diz.


A equipe Enfronta

Toda a bagagem da artista, somada às experiências de cada integrante do projeto, estiveram no desenvolver do Enfronta. Jussara Belchior, assina a direção do espetáculo e propõe caminhos a serem redescobertos por Simone. A diretora traz consigo a dança contemporânea, presente em seu trabalho intitulado “Peso Bruto”. Já o músico, ator, dançarino e pesquisador das danças afro-brasileiras e da contemporaneidade, Luiz Canoa, é colaborador na pesquisa e ressalta a característica latente, atual e necessária do espetáculo. “Expressamos a pluralidade feminina a partir de reflexões sobre as relações fronteiriças, entre encontros, estados de vulnerabilidade e ascendência”, reforça Simone.


A trilha sonora é de Leandro Fortes, músico e compositor de renome, que compôs a trilha exclusivamente inspirado neste novo trabalho da artista. Figurinos e cenário são de Ana Pi que, após uma pesquisa profunda, passeia entre o simples e o sofisticado, entre o que vem a ser figurino, cenário ou objeto de cena, reconfigurando-se, fazendo ambos caminharem juntos à proposta do espetáculo.

O projeto foi contemplado pelo Prêmio Elisabete Anderle, por meio da Fundação Catarinense de Cultura (FCC) e Governo do Estado de Santa Catarina, contando ainda com o apoio do Sesc e do Ceart Udesc.

 

SERVIÇO

O quê: espetáculo de dança Enfronta

Quando: 17 e 18 de dezembro de 2018 (segunda e terça-feira)

Onde: SESC-Prainha - Travessa Siríaco Atherino, 100 - Centro, Florianópolis - SC, 88020-180

Ingressos: devem ser retirados com uma hora de antecedência, no local do espetáculo. Toda a produção do espetáculo é de Cris Villar.