FCC FacebookTwitterYoutube

A Biblioteca Pública de Santa Catarina receberá o curso de extensão universitária sobre literatura africana,  uma atividade promovida pelo Laboratório de Estudos em História da África (LEHAf) da Universidade Federal de Santa Catarina. 

O curso de extensão universitária Literatura Africana tem o objetivo de tratar de alguns temas sociais, políticos e estéticos a partir da leitura e do estudo de poemas, contos e ensaios de escritores africanos ou radicados na África. Com ênfase na relação entre história, memória e literatura, o curso aborda temas como a busca por reconhecimento, direitos civis, autodeterminação e emancipação política, além de outros como o colonialismo, o racismo, o conflito de gerações e a literatura como missão para uma geração de intelectuais.

O curso tem uma duração total de 40 horas e está dividido em quatro módulos, nos quais será dada ênfase à literatura africana em língua portuguesa e relativa a Angola, Cabo Verde e Moçambique. Durante o curso, serão abordadas as seguintes obras:
Módulos I e II (Angola) Poesia Angolana / Tomaz Vieira da Cruz; Poemas/ Viriato da Cruz; Poemas / António Jacinto; Poemas / Agostinho Neto; Poemas de Circunstâncias / António Cardoso; A Cidade e a Infância (contos) / Luandino Vieira; Amor (poemas) / Mário António; Quinaxixe / Arnaldo Santos; Fuga (poemas) / Arnaldo Santos; Terra de Acácias Rubras (poemas) / Costa Andrade; Kissange / Manuel dos Santos Lima; Diálogo / Henrique Abranches; Poesia / Dáskalos
Módulo III (Cabo-Verde) Linha do Horizonte (poesia) / Aguinaldo Fonseca; Caminhada / Ovídio Martins
Módulo IV (Moçambique) Chigubo / José Craveirinha; Godido / João Dias

Os encontros são mensais, com duração de duas horas. O curso, que inicia em 1º de outubro, é gratuito e aberto à comunidade e terá emissão de atestado de participação.  Serão oferecidas 15 vagas para o público em geral e 15 para servidores públicos do Estado. Inscrições e informações pelo e-mail biblio.fcc.sc@gmail.com ou pelo telefone 48 3665 6422/6424.

CARTAZ . Curso de História e Cutura Africanas 1

 

A Biblioteca Pública de Santa catarina (BPSC) recebe a exposição “O Silêncio que Grita”, idealizada pela Fundação Brasil meu Amor (FBMA), para contar e resgatar um pouco da história do Brasil, em especial, a trajetória de Juscelino Kubitschek. A exposição estará em cartaz até o dia 4 de outubro, com entrada gratuita. Além da mostra, será apresentado um espetáculo sobre o tema no dia 3 de outubro, no Teatro Pedro Ivo, às 20h30.

Exposição: O Silêncio que Grita

A exposição é composta de imagens, vídeos e sons que relembram personagens que colocaram um tijolo em direção à liberdade e às mais relevantes construções da civilização moderna. Os painéis da instalação unem os povos, grandes sonhadores e líderes do passado e do presente, apagando a linha imaginária do tempo. A obra é também um grito de alerta: o Brasil livre, sonhado por Juscelino Kubitschek e tantos outros, precisa de todos nós, novos candangos, para cumprir o destino de ser o melhor país do mundo.

Por que Juscelino Kubitschek?

JK era um mineiro com alma sulista e a escolha por retratar a vida dele surgiu não só pela sua importância histórica – em seu mandato, correspondente aos anos dourados do país, o Brasil floresceu em todas as áreas: nas artes, na economia, na arquitetura, nos esportes, etc. –, mas também pela sua biografia. De origem humilde, JK construiu uma carreira muito respeitada na política nacional e chegou à presidência da República, sendo lembrado como o responsável pela construção de uma Era.

Espetáculo: JK um Reencontro com o Brasil

Além de combinar música popular brasileira, teatro e artes visuais, o espetáculo busca resgatar a autoestima do povo brasileiro, cantando e contando um dos momentos mais importantes da história recente do País.

“É muito mais que um espetáculo. É uma aula de história e uma injeção de brasilidade. Este é o momento para discutirmos a verdadeira história do Brasil, para que possamos construir um País que nos faça sentir orgulho de chamar de nosso. Bem como transformá-lo em uma nação honrada para nossos filhos e netos”, conta Glaucia Nasser, assessora da presidência da FBMA e solista do espetáculo.

Apresentado em diversas cidades do Brasil (como Brasília, Belo Horizonte, São Paulo, Salvador, Maceió, Natal, Campinas, Curitiba, entre outras), o intuito da Fundação, neste espetáculo, é trazer reflexões sobre a política nacional, mostrar detalhes ocultos da nossa história e levar os espectadores a uma viagem para um tempo de sonhos, glória e heróis, os quais são patrimônio  do Brasil.

Sob a direção geral da FBMA, o espetáculo conta com os talentos do Diretor Artístico e Técnico Júlio Cesarini e do Maestro Paulinho Dáfilin. Além de Gláucia Nasser, oito músicos de diversas regiões do Brasil participam do espetáculo: Fernando Nunes (baixo), Pedro Cunha (teclados e acordeom), Chrys Galante e Leandrinho Vieira (percussão), Thiago Gomes (bateria), Guiza Ribeiro (guitarra e violões) e Jonas Moncaio (violoncelo).

Já o trabalho de construção do roteiro e das imagens utilizadas contou com a participação de uma equipe de 135 pessoas, incluindo doutorandos da USP, que realizaram uma vasta pesquisa histórica para nos contar sobre esse outro Brasil e algumas de suas verdades.

Será apresentado no dia 3 de outubro, no Teatro Pedro Ivo, às 20h30.

Fundação Brasil Meu Amor (FBMA):

Há dois anos, 135 brasileiros que representam a diversidade de nossa sociedade, se uniram em torno de um objetivo em comum e criaram a Fundação Brasil Meu Amor (FBMA). Sem fins lucrativos, a Fundação tem como missão contribuir para a construção da unidade na mais extensa diversidade do mundo - o Brasil. Ou seja, construir um país unido, que reconhece a grandeza de seu passado, se desenvolve no presente e colabora para a criação de um futuro diferente.

O idealizador e presidente é Jean Obry é médico, filósofo e humanista, estuda a história cultural e política do Brasil há mais de 50 anos e, por toda vida, se dedicou a desenvolver uma metodologia capaz de reduzir a dualidade conflitiva, no nível pessoal e coletivo, social ou político.

 

Serviço

Exposição O Silêncio que Grita

Data: até 4 de outubro

Horário: segunda a sexta-feira – 8 às 19h e sábado – 8 às 11h45

Local: Biblioteca Pública de Santa Catarina R. Ten. Silveira, 343 - Centro

Ingressos: entrada franca. 

A Biblioteca Pública de Santa Catarina (BPSC), espaço administrado pela Fundação Catarinense de Cultura (FCC), receberá o lançamento do livro infantil "Boi Malhado, Boi Dobrado".  A atividade será realizada na quinta-feira, 19 de setembro, às 15h, no setor infantojuvenil. Além do lançamento, as crianças poderão acompanhar também uma contação de histórias sobre os personagens do Boi de Mamão - temática que inspirou o livro.

A obra será lançada pela Cia Mafagafos e narra em versos, dobras e desenhos, a história dessa festa popular que integra a cultura de Florianópolis. O livro foi criado especialmente para as crianças, uma vez que os personagens encantam o público infantil.

Boi Malhado, Boi Dobrado  foi financiado com recurso público do Fundo Municipal de Cultura, por meio do Edital de Apoio às Culturas 2018 do município de Florianópolis.

Ficha técnica:
Projeto editorial e texto: Sig Schaitel
Projeto gráfico: Tina Merz
Ilustrações: Luciana Bicalho
Realização: Cia Mafagafos

Serviço:
Lançamento do Livro “Boi Malhado, Boi Dobrado”

Data: Dia 19 de setembro, quinta-feira, 15h

Local: Biblioteca do Estado de Santa Catarina (BPSC)
Rua Tenente Silveira, 343, Florianópolis, SC.

Entrada gratuita.

 

 

A exposição comemorativa aos 165 anos de criação da Biblioteca Pública de Santa Catarina (BPSC) pode ser visitada na Biblioteca da Universidade Federal de Santa Catarina (BU/UFSC).  Na mostra é possível conferir, em uma linha do tempo, a trajetória da instituição cultural mais antiga do estado. O visitante também pode ver objetos antigos que foram usados ao longo dos anos, bem como as tecnologias da época.   

O horário de atendimento da Biblioteca Universitária é de segunda a sexta, das 7h30 às 22h e aos sábados das 8 às 20h. A entrada é gratuita e a classificação indicativa é livre.

Estão abertas até as 11h do dia 23 de setembro as inscrições para a Oficina Literária Boca de Leão, oferecida gratuitamente pela Biblioteca Pública de Santa Catarina. Podem participar pessoas a partir de 21 anos. Para se inscrever, os interessados devem preencher a ficha disponível no fim desta matéria e enviar por e-mail para o endereço Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

O objetivo da Oficina é promover encontros entre pessoas da comunidade catarinense para iniciar no processo de socialização, vivência em grupo, escrita e posterior compartilhamento da produção literária desenvolvida. Além disso, os participantes irão escrever contos para compor o e-book anual da Oficina Literária Boca de Leão. Os encontros ocorrerão de 1º de outubro a 5 de dezembro, sempre das 16h às 18h, às terças e quintas-feiras, no Auditório da Biblioteca e no Setor Infantojuvenil, respectivamente.

As aulas são expositivas e dialogadas, com leitura e discussão de textos curtos. Os participantes terão práticas de escrita criativa e de contos curtos, com a socialização da produção textual. Serão oferecidas, ainda vivências de Biblioterapia e diálogo com os participantes sobre as temáticas dos textos, assim como da produção textual inspirada nas histórias lidas ou ouvidas.

Ficha de Inscrição - Oficina Boca de Leão 2019