FCC FacebookTwitterYoutube

Neste domingo (25), às 18h, o Coletivo Antônia, do Distrito Federal, apresenta o espetáculo Voa no palco do Teatro Álvaro de Carvalho (TAC). A programação faz parte do Festival Palco Giratório do Sesc.

Livremente inspirado em A menina e o pássaro encantado, de Rubem Alves, Voa percorre o caminho das sutilezas e dos sentidos, tratando de cumplicidade e de saudades, mas principalmente de liberdade. As meninas e os pássaros que habitam o conto brincam, no espetáculo, com muitas possíveis relações de amizade, em ambiências que estimulam a interação do bebê com as luzes, os sons, os aromas e a cenografia. Entre idas e vindas de um pássaro viajante, Voa transgride as noções tradicionais de tempo, de espaço e de amor.

Segundo espetáculo da companhia, Voa estreou em fevereiro de 2017. Desde então, vem traçando caminhos de circulação e expansão. Foi o único espetáculo para bebês selecionado para a 18º edição do Festival Internacional de Teatro de Brasília – Cena Contemporânea.

Sobre o grupo

Criado em 2009, a partir de estudos e investigações teatrais para a primeira infância, o Coletivo Antônia dedica-se à criação de espetáculos que propiciem dinâmicas horizontais entre crianças e adultos, baseando-se na capacidade de maravilhar-se dos bebês, com foco em suas habilidades e sensibilidades emocionais, poéticas e estéticas.

Paralelo às apresentações, o Coletivo fomenta espaços de pensamento e busca compartilhar saberes sobre as artes para a primeira infância, participando de debates, mesas redondas e conversas livres sobre o tema. Atua também na esfera de projetos voltados para crianças e professores das redes de ensino, com apresentações, oficinas e workshops, sempre com o intuito de compartilhar experiências. Além de ser membro do Centro Brasileiro de Teatro para a Infância e Juventude, o grupo é vinculado ao International Association of Theatre for Children and Young People.

Ficha técnica:

Realização: Coletivo Antônia - Direção: Rita de Almeida Castro - Elenco: Cirila Targhetta e Tatiana Bittar - Dramaturgia: Rita de Almeida Castro e Coletivo Antônia - Cenário e figurino: Roustang Carrilho

Música e sonoplastia: Euler Oliveira - Desenho de luz: Marcelo Augusto Design Gráfico / Ilha Design - Coordenação técnica e operação de luz: Euler Oliveira - Fotografia: Maíra Zannon e Guilherme Nabuco - Vídeo: Baleia Filmes - Produção executiva: Kamala Ramers - Direção de produção: Inova Roda Produções

Serviço:

O quê: Voa - Festival Palco Giratório
Quando: 25 de agosto de 2019, às 18h
Classificação indicativa: Livre
Onde: Teatro Álvaro de Carvalho (TAC)
Rua Marechal Guilherme, 26 - Centro - Florianópolis (SC)
Classificação indicativa: Livre
Ingressos: R$ 20,00 inteira; R$ 10,00 meia-entrada(estudantes, idosos, pessoas com deficiência, menores de 18 anos, doadores regulares de sangue e professores).
**Vendas nas bilheterias dos teatros. Ingressos não numerados.

Neste sábado (24), o Teatro Álvaro de Carvalho recebe mais um espetáculo do festival Palco Giratório do Sesc. Traga-me a cabeça de Lima Barreto, da Cia dos Comuns, começa às 20h.

Inspirada livremente na obra de Lima Barreto (1881-1922), especialmente nos livros Diário íntimo e Cemitério dos vivos, o monólogo teatral reúne trechos de memórias impressas em suas obras, entrecruzadas com livre imaginação. O texto fictício tem início logo após a morte do escritor, quando eugenistas exigem a exumação do seu cadáver para uma autópsia a fim de esclarecer “como um cérebro inferior poderia ter produzido tantas obras literárias – romances, crônicas, contos, ensaios e outros alfarrábios – se o privilégio da arte nobre e da boa escrita é das raças superiores?”. A partir desse embate com os eugenistas, a peça mostra as várias facetas da personalidade e da genialidade de Lima Barreto, sua vida, sua família, a loucura, o alcoolismo, o racismo, sua convivência com a pobreza, sua obra não reconhecida, suas lembranças e tristezas.

Sobre o grupo

Criada em 2001 pelo ator Hilton Cobra, a Cia. dos Comuns é um grupo de teatro formado por atrizes e atores negros com a missão artística e política de desenvolver uma pesquisa teatral negra que possibilite maior conhecimento da nossa cultura, além de estimular o apuro técnico e ampliação do espaço de atuação profissional de artistas e técnicos negros no mundo das artes cênicas. É responsável pela encenação dos espetáculos A roda do mundo, Bakulo – Os bem lembrados, Candaces – A reconstrução do fogo (Prêmio Shell de melhor música), Silêncio e Traga-me a cabeça de Lima Barreto, sempre cumprindo temporadas populares no Rio de Janeiro e em outras cidades brasileiras. Também realiza projetos extrapalco, como o Fórum Nacional de Performance Negra (BA), encontro de diretores de grupos de teatro e dança negros (em parceria com o Bando de Teatro Olodum/BA) e Olonadé, a Cena Negra Brasileira (RJ), mostra de teatro e dança negros.

Ficha técnica:

Ator: Hilton Cobra - Dramaturgia: Luiz Marfuz - Direção: Fernanda Júlia - Cenário: Laboratório de Investigação de Espaços do Teatro Vila Velha (Vila de Taipa), Erick Saboya, Igor Liberato e Marcio Meirelles - Direção musical: Jarbas Bittencourt - Direção de movimentos: Zebrinha - Desenho de luz: Jorginho de Carvalho e Valmyr Ferreira - Figurino: Biza Vianna - Direção de vídeo: David Aynan - Adereços: Dominique Faislon - Assist. de direção, preparação corporal e vocal: Fernando Santana

Design gráfico: Ga e Bob Siqueira - Assessoria de imprensa: Márcia Vilella / Target Assessoria - Fotos: Adeloyá Magnoni, Marta Viana e Valmyr Ferreira - Produção executiva: Afonso Drumond/RJ - Operação de luz: Lucas Barbalho - Operação de som e vídeo: Duda Fonseca - Vozes em off: Lázaro Ramos, Harildo Deda, Frank Menezes, Hebe Alves, Rui Mantur e Stephane Bourgade


Serviço:

O quê: Traga-me a cabeça de Lima Barreto - Festival Palco Giratório
Quando: 24 de agosto de 2019, às 20h
Classificação indicativa: Livre
Onde: Teatro Álvaro de Carvalho (TAC)
Rua Marechal Guilherme, 26 - Centro - Florianópolis (SC)
Classificação indicativa: 14 anos
Ingressos: R$ 20,00 inteira; R$ 10,00 meia-entrada(estudantes, idosos, pessoas com deficiência, menores de 18 anos, doadores regulares de sangue e professores).
**Vendas nas bilheterias dos teatros. Ingressos não numerados.

Nesta sexta-feira (23), o Teatro Álvaro de Carvalho (TAC) recebe o espetáculo teatral Um Ensaio sobre Mamma Mia I. A apresentação começa às 20h.

A montagem com adolescentes integra canto, dança e dramaturgia. O espetáculo é resultado de aulas ministradas durante o ano letivo de 2019 na cia Artes do Corpo, com esquetes, além de uma leitura da peça Mamma Mia.


Serviço:

O quê: Um Ensaio sobre Mamma Mia I
Quando: 23 de agosto de 2019, às 20h
Classificação indicativa: Livre
Onde: Teatro Álvaro de Carvalho (TAC)
Rua Marechal Guilherme, 26 - Centro - Florianópolis (SC)
Ingressos: R$ 20,00 inteira; R$ 10,00 meia-entrada (estudantes, idosos, pessoas com deficiência, menores de 18 anos, doadores regulares de sangue e professores).
*Venda nas bilheterias dos teatros.

No dia 21 de agosto de 2019, Florianópolis recebe novamente o Rock de Galpão no palco do Teatro Álvaro de Carvalho (TAC), para o show de lançamento do DVD 10 Anos na Estrada na capital catarinense. O espetáculo, marcado para 20h, terá participações especiais do grupo Rédea Solta, do artista plástico Mai Bavoso e das Invernadas Artísticas do CTG Os Praianos, Grupo de Arte e Cultura Querência Açoriana e Grupo de Arte e Cultura Ilha Xucra.

Formada por Tiago Ferraz (voz e guitarra), Rafa Schuler (guitarra e vocais), Guilherme Gul (bateria), Mestre Kó (teclados e vocais), Gustavo Viegas (contrabaixo) e Guilherme Goulart (acordeom), a banda mescla as sonoridades regionais do Sul da América Latina com as mais contemporâneas e universais formas de fazer música. A partir dessas sonoridades – como a milonga, o xote e o chamamé – o grupo cria novos arranjos com influências do rock, reggae, folk, blues e outros ritmos, resgatando a obra de grandes autores.

10 Anos na Estrada

O DVD Rock de Galpão - 10 Anos na Estrada é o registro de diversas apresentações realizadas em turnê pela Argentina e capitais do Sul do Brasil. As gravações começaram em maio de 2017, no Centro Histórico-Cultural Santa Casa, em Porto Alegre – cidade de origem do grupo, com participações especiais dos músicos Humberto Gessinger, Neto Fagundes, Gilberto Monteiro, Hique Gomez, Hossam Ramzy, Gutcha Ramil e do artista plástico Mai Bavoso. Em setembro, o grupo se apresentou na Argentina, no Hard Rock Café, em Buenos Aires, e no Centro Cultural San Isidro, em San Isidro. Esta última apresentação recebeu convidados como Valeria Lynch, Franco Luciani e Cau Bornes. No dia 22 de setembro foi a vez de Florianópolis receber o espetáculo no Teatro Álvaro de Carvalho, com participação do grupo Rédea Solta. Em Curitiba, a apresentação aconteceu no dia 24 setembro, no Museu Oscar Niemeyer, tendo como convidados os músicos João Triska e João Lopes. Os shows contaram também com as participações especiais de Diablo Jr. (boleadeiras e bombo leguero) e Paulinho Cardoso (Acordeom).

Serviço:

O quê: Rock de Galpão - 10 anos de estrada
Quando: 21 de agosto de 2019, às 20h
Onde: Teatro Álvaro de Carvalho (TAC)
Rua Marechal Guilherme, 26 - Centro - Florianópolis (SC)
Classificação indicativa: Livre
Ingressos: R$ 50,00 inteira; R$ 25,00 meia-entrada (estudantes, idosos, pessoas com deficiência, menores de 18 anos, doadores regulares de sangue e professores).
**Vendas nas bilheterias dos teatros. Ingressos não numerados.

O Teatro Álvaro de Carvalho (TAC) recebe mais um espetáculo do Festival Palco Giratório do Sesc nesta sexta-feira (16). Se eu fosse Iracema, do 1Comum Coletivo, do Rio de Janeiro, começa às 20h.

Com referências que vão desde os mitos e rituais de várias etnias originárias do país a aspectos como a demarcação de terras e outros direitos fundamentais, o espetáculo propõe um olhar sobre o universo indígena brasileiro, transitando entre a tradição e a sua situação atual, e questiona: qual a real possibilidade de convivência entre as diferenças?

Sobre o grupo

A primeira pesquisa de linguagem do 1COMUM Coletivo nasceu da inquietação provocada por uma carta de outubro de 2012, em que os Guarani e os Kaiowá pediam que se decretasse sua morte coletiva em vez de lhes tirarem a terra originária. A partir dessa pesquisa, nasceu o monólogo Se eu fosse Iracema, que cumpriu temporada de estreia em abril de 2016, no Rio de Janeiro, sendo indicado aos prêmios Shell, Cesgranrio, APTR, no Rio de Janeiro, e ao APCA, em São Paulo, em 2017.

Ficha técnica:

Intérprete: Adassa Martins - Dramaturgia: Fernando Marques - Direção, iluminação e cenografia: Fernando Nicolau - Figurino e caracterização: Luiza Fardin - Trilha sonora original e desenho de som: João Schmid - Preparação vocal: Ilessi - Direção de arte e projeto gráfico da comunicação: Fernando Nicolau - Escultura do busto: Bruno Dante - Caracterização das fotos: Luiza Fardin - Fotografia: Imatra - Operação de som: Fernando Nicolau - Operação de luz: Kadu Moura - Produção executiva: Clarissa Menezes - Idealização: Fernando Nicolau e Fernando Marques - Realização e produção: 1COMUM Coletivo

Serviço:

O quê: Palco Giratório: Se eu fosse Iracema - 1Comum Coletivo (RJ)
Quando: 16 de agosto de 2019, às 20h
Onde: Teatro Álvaro de Carvalho (TAC)
Rua Marechal Guilherme, 26 - Centro - Florianópolis
Classificação indicativa: 14 anos
Ingressos: R$ 20,00 inteira; R$ 10,00 meia-entrada(estudantes, idosos, pessoas com deficiência, menores de 18 anos, doadores regulares de sangue e professores).
**Vendas nas bilheterias dos teatros. Ingressos não numerados.