FCC FacebookTwitterYoutube

Logo GOV SC 2019 Colorido

Como parte do esforço pela candidatura de fortificações catarinenses entre 19 construções brasileiras que terão seu reconhecimento como patrimônios mundiais pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), a Fundação Catarinense de Cultura (FCC) esteve presente no II Seminário Internacional Fortificações Brasileiras Patrimônio Mundial, que ocorreu entre 3 e 5 de dezembro no Rio de Janeiro. O evento, iniciativa do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e da Fundação Cultural Exército Brasileiro, recebeu palestras de especialistas da Itália, Portugal, Espanha e Colômbia sobre experiências de preservação, conservação e gestão do patrimônio cultural militar e de fortificações.

O evento ocorreu na Fortaleza de São João, uma base militar junto à praia onde é atribuída a fundação, em 1565, da cidade do Rio de Janeiro, e que possui, em seu perímetro, fortificações
construídas entre os séculos XVI e XX. O historiador da FCC, Fábio Richter, representou a instituição no Seminário em que foram apresentadas, ainda, experiências brasileiras e promovido debate com a participação do público. O evento culminou com a elaboração e apresentação da Carta do Rio de Janeiro, documento que consolida orientações e recomendações resultantes das discussões promovidas pelo Seminário.

A FCC integra o comitê de Santa Catarina, estado que possui duas fortificações que fazem parte do conjunto a ser chancelado pela Unesco: as fortalezas de Santa Cruz (1739), situada na Ilha de Anhatomirim, no município de Governador Celso Ramos; e a de Santo Antônio (1740), localizada na Ilha Ratones Grande, em Florianópolis. Estas edificações também estão em processo de reconhecimento como patrimônios históricos e culturais do Estado de Santa Catarina, por meio de processo de tombamento realizado pela Diretoria de Patrimônio Cultural da FCC.